Tamanho do texto

Adalberto Baptista afirmou que a equipe do Morumbi vai se recuperar e negou uma possível 'faxina' no elenco do São Paulo

Quando o São Paulo terminou o último Brasileiro sem nem uma vaga na Libertadores, a diretoria alegou ter sentido até vergonha do time e promoveu uma reformulação para dar “sangue nos olhos” ao elenco. No sexto mês da temporada, o time acumula eliminações nas semifinais do Paulista e da Copa do Brasil , mas a atitude mudou. Por isso, em vez de alterações, os dirigentes transmitem confiança de um futuro melhor.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

“Tenho certeza que o grupo vai responder bem. Este sofrimento que vimos em breve vai se transformar em alegria”, apostou o diretor de futebol Adalberto Baptista, incumbido de dar entrevista coletiva logo após a derrota para o Coritiba para negar qualquer ‘faxina’. “Estamos todos tristes, mas todo planejamento que fizemos segue adiante”, avisou.

Leia mais:  Lucas prevê pressão maior, mas Leão tranquiliza e cita até Catar

Entre os contratados para este ano, a maior decepção é Fabrício, que já tratou de quatro lesões e nem deve mais atuar em 2012. Já Douglas, Paulo Miranda, Cortez e Jadson são titulares, enquanto Edson Silva, Maicon, Fernandinho e Osvaldo recebem frequentes oportunidades saindo do banco de reservas.

Confira ainda:  Gol de baixinho do Coritiba em meio a zaga de gigantes deixa Leão "p... da vida"

A sensação de sucesso aumentou com a reação de tristeza dos atletas nos vestiários do Couto Pereira. “Acreditamos muito neste grupo. Temos certeza de que tivemos êxito em todas as mudanças que fizemos do ponto de vista que planejamos. Infelizmente, não no tocante aos resultados, mas temos plena confiança de que este grupo vai dar a volta por cima”, insistiu Adalberto Baptista. Mesmo a atuação nos 2 a 0 a favor do Coxa serve como argumento em prol do elenco.

“Quem assistiu ao jogo e conhece futebol, viu que no primeiro tempo estávamos iniciando um domínio de jogo e o Coritiba foi se acuando, começando até a respeitar demais o São Paulo . Quando tomamos o gol, é claro que há uma desestabilização. Jogo mata-mata é isso”, disse o diretor de futebol, lembrando do gol de Emerson no primeiro tempo – Everton Ribeiro fechou o placar na etapa final.