Tamanho do texto

Justiça considerou pedido de cassação improcedente. Audiência de conciliação está marcada para novembro

Ronaldinho estará nas arquibancadas do Independência nesta quarta-feira
Divulgação
Ronaldinho estará nas arquibancadas do Independência nesta quarta-feira

O Flamengo sofreu a segunda derrota na Justiça para o atacante Ronaldinho e seus advogados. O pedido de cassação da liminar que liberou o jogador de seu contrato com o time carioca, permitindo que ele assinasse com o Atlético-MG , foi rejeitado pelo juiz da 9ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pelo departamento jurídico do Flamengo, que não vai se pronunciar sobre o caso.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

A primeira audiência de conciliação está marcada para o dia 8 de novembro, às 9h45. Caso os dois lados não entrem em um acordo, o processo será julgado. Mas mesmo antes da data marcada, o Flamengo deverá recorrer da decisão. Por enquanto, porém, Ronaldinho está livre para defender o Atlético-MG. Sua estreia está marcada para o próximo sábado, contra o Palmeiras, às 21h, no Pacaembu.

Leia mais:  Flamengo declara guerra contra R10 e usa artilharia pesada

O Flamengo admite uma divida de R$ 5 milhões relativos ao direito de imagem do jogador, enquanto a defesa do atacante cobra R$ 40 milhões, pois considera que Ronaldinho foi forçado a rescindir unilateralmente o contrato, tendo direito ao pagamento dos meses restantes do acordo, que vai até 2014 e das multas previstas.

Contrato protege o Atlético-MG

Prevendo a briga judicial entre Flamengo e Ronaldinho nos próximos meses, o Atlético-MG divulgou, na apresentação do jogador, que existe uma cláusula no contrato do atacante com o time mineiro que suspende o acordo caso o Flamengo consiga derrubar a liminar. Assim, o time mineiro também fica isento de pagar os salários do jogador.

“Atlético tem uma clausula especifica no contrato sobre essa liminar protegendo o clube. Se cassar a liminar está suspenso o contrato. Conversei com o advogado sobre isso. O período que ficar cassada a liminar o contrato está suspenso, então não tem prejuízo. Apesar de achar difícil que isso aconteça”, declarou Kalil.