Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Conheça melhor as 16 seleções que vão disputar a Euro 2012

iG dividiu as equipes em quatro categorias. Veja quais são os destaques individuais, como foi a campanha nas eliminatórias, os pontos fortes e os pontos fracos de cada participante

Mário André Monteiro e Luís Araújo - iG São Paulo |

Vai começar a Eurocopa, segundo maior torneio de futebol entre seleções do planeta, atrás apenas da Copa do Mundo. Aliás, das 16 participantes da edição deste ano, nove estiveram no último mundial da África do Sul - Ucrânia, Polônia, Rússia, Irlanda, Croácia, República Tcheca e Suécia não foram ao torneio de 2010 no continente africano.

E MAIS:  Qual seleção tem as camisas mais bonitas da Euro 2012? Veja e vote

E as três primeiras colocadas na Copa do Mundo de 2010 chegam como grandes favoritas para disputa da Euro 2012. A atual campeã mundial e européia Espanha, a vice-campeã mundial Holanda e a Alemanha, que ficou em 3º no Mundial e em 2º na Euro de 2008. Tirando essas três equipes, o iG dividiu as outras em três categorias diferentes: "Correm por fora", "Podem surpreender" e "Apenas coadjuvantes".

CONFIRA TAMBÉM: Veja a tabela de jogos completa da Eurocopa 2012

Conheça um pouco mais sobre cada seleção:


Favoritas ao título

ALEMANHA

Getty Images
Mesut Özil, meia da Alemanha

Muito se fala que a equipe germânica é a que apresenta o melhor futebol entre as seleções de todo mundo, mas as boas atuações ainda não renderam títulos. O processo de renovação começou na Euro de 2008, onde os alemães ficaram com o vice-campeonato, passando pela terceira posição na Copa do Mundo de 2010, com o time encantando dentro de campo. Os antes jovens inexperientes agora estão mais calejados. 

Antes da Euro, o time fez dois amistosos. Com o time misto, perdeu de 5 a 3 da Suíça, fora de casa. Depois, venceu Israel por 2 a 0, em casa.

Leia mais no Blog do Alemão

Principal destaque: Mesut Özil
Olho nele: Mario Götze
Ranking da Fifa: 3ª colocação
Melhor campanha: Campeã (1972, 80 e 96)
Campanha nas eliminatórias: 10 vitórias, nenhum empate e nenhuma derrota
Ponto forte: Velocidade, talento e boa técnica dos seus jogadores ofensivos. É um time com muitos bons jovens valores mesclados com outros já mais rodados.
Ponto fraco: O sistema defensivo é falho, com atletas ainda inexperientes.
Time base: Neuer, Boateng, Mertesacker, Badstuber e Lahm; Khedira, Schweinsteiger e Özil; Podolski, Müller e Klose.

ESPANHA

Getty Images
Xavi, meia da Espanha

A "Fúria" chega para disputa do torneio como o adversário a ser batido, já que manteve a mesma base que levou os títulos da Eurocopa em 2008 e da Copa do Mundo de 2010. A desconfiança dos anos anteriores ficou para trás depois que essa geração vitoriosa, que conta, principalmente, com jogadores de Barcelona e Real Madrid, deu a consistência que o time espanhol precisava.

Nos três amistosos que a seleção fez antes da Eurocopa, três vitórias foram conquistadas: 2 a 0 sobre a Sérvia, 4 a 1 contra a Coreia do Sul e um suado placar de 1 a 0 diante da China.

Leia mais notícias sobre futebol espanhol

Principal destaque: Xavi Hernandez
Olho nele: David Silva
Ranking da Fifa: 1ª colocação
Melhor campanha: Campeã (1964 e 2008)
Campanha nas eliminatórias: 8 vitórias, nenhum empate e nenhuma derrota
Ponto forte: Entrosamento. É uma equipe que toca muito bem a bola, mantém a posse dela e raramente perde dos seus adversários nestes quesitos.
Ponto fraco: Sem David Villa, a equipe tem dificuldades nas finalizações. 
Time base: Casillas, Sergio Ramos, Piqué, Albiol e Arbeloa; Busquets, Xabi Alonso, Iniesta, Xavi e David Silva; Fernando Torres.

HOLANDA

Getty Images
Van Persie, atacante da Holanda

Depois da campanha abaixo do esperado na última edição da Eurocopa, os holandeses deram a volta por cima e chegaram à decisão da Copa do Mundo, perdendo a final diante da Espanha somente na prorrogação. A base é a mesma do último Mundial. A "Laranja Mecânica" aposta na boa fase dos seus jogadores ofensivos para tentar buscar o bicampeonato na competição.

Antes da Euro, o time fez quatro amistosos, com duas vitórias e duas derrotas. Perdeu do Bayern de Munique (2x3) e da Bulgária (1x2) - em Amsterdã -, mas se recuperou nas últimas partidas, batendo a Eslováquia (2x0) e goleando a Irlanda do Norte (6x0)

Principal destaque: Robin Van Persie
Olho nele: Luuk de Jong
Ranking da Fifa: 4ª colocação
Melhor campanha: Campeã (1988)
Campanha nas eliminatórias: 9 vitórias, nenhum empate e 1 derrota
Ponto forte: Talento dos seus homens de frente. É um ataque rápido, habilidoso e que sabe fazer gols.
Ponto fraco: A defesa está "envelhecida" e pode comprometer.
Time base: Stekelenburg, Van der Wiel, Mathijsen, Heitinga e Pieters; Van Bommel, De Jong, Van der Vaart, Sneijder e Robben; Van Persie.


Correm por fora

INGLATERRA

Getty Images
Wayne Rooney, atacante da Inglaterra

Os ingleses, tradicionalmente, se destacaram pelo futebol pragmático e de muita força. A equipe deste ano continua assim, mas com um toque de qualidade do meio de campo para frente. Ausente da última edição do torneio, o "English Team" sempre entra em Eurocopas como um dos candidatos, mas a equipe nunca conquistou o título da competição e não vê a hora desse dia chegar. 

O time chega na Euro tendo vencido amistosos contra Noruega, na casa do adversário, e Bélgica, no estádio de Wembley, ambos por 1x0.

Leia mais notícias de futebol inglês

Principal destaque: Wayne Rooney
Olho nele: Ashley Young
Ranking da Fifa: 6ª colocação
Melhor campanha: 3ª posição (1968 e 96)
Campanha nas eliminatórias: 5 vitórias, 3 empates e nenhuma derrota
Ponto forte: É um time muito eficiente na marcação.
Ponto fraco: A polêmica extra-campo que alguns dos seus principais jogadores se envolvem prejudicam o rendimento da equipe.
Time base: Hart, Johnson, Lescott, Terry e Ashley Cole; Parker, Gerrard, Downing e Ashley Young; Walcott e Rooney.

ITÁLIA

Getty Images
Andrea Pirlo, meia da Itália

A Eurocopa é o primeiro grande teste para a Itália desde o fracasso na Copa do Mundo de 2010, quando foi eliminada ainda na primeira fase. Sob o comando de Cesare Prandelli, a equipe passou por uma reformulação e teve sua base rejuvenescida. Porém, a seleção italiana passa por turbulência por conta de um novo escândalo de manipulação de resultados que assombra o futebol no país. 

No único amistoso que fez na preparação para a competição, a Itália apanhou de 3 a 0 da Rússia, na cidade de Zurique, na Suíça.

Leia sobre futebol italiano no Tripletta

Principal destaque: Andrea Pirlo
Olho nele: Sabastian Giovinco
Ranking da Fifa: 12ª colocação
Melhor campanha: Campeã (1968)
Campanha nas eliminatórias: 8 vitórias, 2 empates e nenhuma derrota
Ponto forte: A defesa, que é a base da Juventus, campeã italiana, e que teve a melhor performance entre os grandes europeus.
Ponto fraco: Fazer gols nunca foi o forte do futebol italiano. E a luta para melhorar isso permanece.
Time base: Buffon, Barzagli, Bonucci e Chiellini; Maggio, De Rossi, Pirlo, Marchisio e Balzaretti; Cassano e Balotelli.

FRANÇA

AP
Franck Ribéry, meia da França

A envelhecida geração que esteve em campo até a Copa de 2010 ficou para trás e o time francês entrou num drástico processo de renovação sob o comando de Blanc. A equipe antes "pesada" agora deu lugar para atletas mais jovens e leves, proporcionando um futebol de qualidade e boa técnica.

Antes de jogar a Eurocopa, a França fez três bons amistosos contra Islândia, Sérvia e Estônia. Venceu o primeiro por 3 a 2, depois de estar perdendo, triunfou no segundo por 2 a 0 e ganhou o último com facilidade, 4 a 0.

Mais de futebol francês é no Le Blog du Foot

Principal destaque: Franck Ribéry
Olho nele: Samir Nasri
Ranking da Fifa: 14ª colocação
Melhor campanha: Campeã (1984 e 2000)
Campanha nas eliminatórias: 6 vitórias, 3 empates e 1 derrota
Ponto forte: Os bons jogadores do meio para frente vivem boas fases em seus clubes e entram confiantes no torneio.
Ponto fraco: É uma equipe jovem e que passa por um processo de renovação. A inexperiência de alguns pode pesar.
Time base: Lloris, Sagna, Rami, Mexes e Evra; Cabaye, M'Villa, Nasri, Ribéry e Malouda; Benzema.


Podem surpreender

CROÁCIA

AP
Luka Modric, meia da Croácia

O estilo de jogo croata pode ser definido como defensivo, deixando um pouco de lado o futebol bonito que marcaram as primeiras equipes da curta história do país. O técnico Slaven Bilic preza pela retranca e confia na boa qualidade de alguns dos seus homens de criação para colocar os atacantes na cara do gol. A grande ausência é Olic, cortado de última hora por lesão.

A última partida da seleção do leste europeu antes da competição foi um empate por 1 a 1 contra a Noruega, em Oslo. Dias antes, a equipe croata bateu a fraca Estônia por 3 a 1.

Leia as últimas notícias sobre a Croácia

Principal destaque: Luka Modric
Olho nele: Ivan Perisic
Ranking da Fifa: 8ª colocação
Melhor campanha: 5ª posição (2008)
Campanha nas eliminatórias: 8 vitórias, 2 empates e 2 derrotas
Ponto forte: O time tem bons valores individuais e um rápido contra-ataque.
Ponto fraco: A defesa é lenta por baixo, pesada e tem dificuldades nas bolas aéreas.
Time base: Pletikosa, Vida, Simunic, Lovren e Pranjic; Srna, Vukojevic, Modric e Kranjcar; Mandzukic e Eduardo da Silva.

POLÔNIA

Getty Images
Robert Lewandowski, atacante da Polônia

O Campeonato Alemão deu uma esperança para a torcida polonesa, que viu três de seus titulares brilhando com a camisa do campeão Borussia Dortmund: Kuba, Piszczek e Lewandowski - este último, eleito o melhor jogador da Bundesliga. O time ainda é uma das sedes da Euro 2012 e conta com a empolgação da torcida.

A equipe fez três amistosos contra seleções de pouca expressão no cenário mundial antes da competição e venceu todos. 1 a 0 sobre Letônia e Eslováquia e goleada de 4 a 0 diante da pequena Andorra.

Leia as últimas notícias sobre a Polônia

Principal destaque: Robert Lewandowski
Olho nele: Jakub Blaszczykowski, o Kuba
Ranking da Fifa: 62ª colocação
Melhor campanha: 14ª posição (2008)
Campanha nas eliminatórias: Não disputou por ser uma das sedes
Ponto forte: Joga com apoio da torcida, tem jogadores velozes e em boa fase em seus clubes.
Ponto fraco: Falta equilíbrio entre defesa, meio e ataque. Além disso, os volantes só marcam e têm pouca qualidade para sair jogando.
Time base: Szczesny, Piszczek, Glowacki, Perquis e Wawrzyniak; Murawski, Dudka, Kuba, Obraniak e Mierzejewski; Lewandowski.

PORTUGAL

Getty Images
Cristiano Ronaldo, atacante de Portugal

Não é nenhuma novidade que o time luso é extremamente dependente de Cristiano Ronaldo. Se o astro do Real Madrid estiver bem, ele consegue fazer com que o restante da equipe o acompanhe. É uma base formada por bons coadjuvantes, mas que não conseguem caminhar sem o seu principal jogador.

Os amistosos pré-Euro não foram nada animadores para Portugal, vaiado nos dois duelos. Primeiro empatou sem gols com a fraca seleção da Macedônia, em casa. Depois, perdeu da Turquia por 3 a 1, na cidade de Lisboa.

Leia as últimas notícias sobre Portugal

Principal destaque: Cristiano Ronaldo
Olho nele: Nani
Ranking da Fifa: 10ª colocação
Melhor campanha: Vice-campeão (2004)
Campanha nas eliminatórias: 6 vitórias, 2 empates e 2 derrotas
Ponto forte: Tem um meio de campo sólido e boas jogadas pelas pontas, sempre com Nani e Cristiano Ronaldo.
Ponto fraco: Time sem muita criação e com dificuldades na marcação pelo lado direito da sua defesa.
Time base: Rui Patrício, Pereira, Bruno Alves, Pepe e Coentrão; Raúl Meireles, Miguel Veloso, João Moutinho e Nani; Postiga e Cristiano Ronaldo.

SUÉCIA

AFP
Zlatan Ibrahimovic, atacante da Suécia

A seleção sueca é recheada de figurinhas carimbadas, atletas experientes, rostos conhecidos e que já fazem parte da equipe há algum tempo, mas nenhum com a mesma qualidade de Ibrahimovic. É ele e mais dez. O meio de campo é povoado e os laterais costumam subir com bastante frequência ao ataque.

E o time chega embalado para disputa da Euro após ter vencido os dois últimos amistodos. Primeiro derrotou a Islândia por 3 a 2, depois superou a Sérvia por 2 a 1, ambos duelos disputados em território nacional.

Leia as últimas notícias sobre a Suécia

Principal destaque: Zlatan Ibrahimovic
Olho nele: Marcus Rosenberg
Ranking da Fifa: 17ª colocação
Melhor campanha: 4ª posição (1992)
Campanha nas eliminatórias: 8 vitórias, nenhum empate e 2 derrotas
Ponto forte: É uma equipe bastante experiente, rodada e com jogadores calejados em jogos internacionais.
Ponto fraco: O time titular é bom, mas as peças de reposição são fracas. A equipe não tem um banco de reservas à altura.
Time base: Isaksson, Lustig, Granqvist, Mellberg e Martin Olsson; Svensson, Kallstrom, Toivonen e Larsson; Elmander e Ibrahimovic.

RÚSSIA

AP
Andrei Arshavin, atacante da Rússia

A boa campanha na Eurocopa de 2008 embala os russos na disputa deste ano. Algumas jovens revelações juntaram-se aos atletas que levaram o time à 3ª colocação na última edição do torneio, formando assim uma base atual muito sólida e que anima os torcedores.

Foram três amistosos antes da competição, com dois empates (1 a 1 contra o Uruguai, em Moscou, e 0 a 0 diante da Lituânia, em campo neutro) e uma expressiva vitória contra a Itália no último duelo. Em Zurique, na Suíça, a Rússia enfiou 3 a 0.

Leia as últimas notícias sobre a Rússia

Principal destaque: Andrei Arshavin
Olho nele: Alan Dzagoev
Ranking da Fifa: 13ª colocação
Melhor campanha: Campeã (1960)
Campanha nas eliminatórias: 7 vitórias, 2 empates e 1 derrota
Ponto forte: Tem uma defesa sólida e que leva poucos gols. No ataque, a habilidade de Arshavin pode ser o diferencial.
Ponto fraco: É uma equipe com baixa resistência e sem muita força física.
Time base: Akinfeev, Anyukov, Berezutski, Ignashevich e Zhirkov; Denisov, Shirokov, Syryanov e Dzagoev; Arshavin e Kerzhakov.


Apenas coadjuvantes

DINAMARCA

AP
Christian Eriksen, meia da Dinamarca

Faz 20 anos que a Dinamarca encantou o mundo do futebol com a "Dinamáquina", campeã da Euro de 1992. A realidade atual, porém, é bastante diferente. A equipe nórdica não é nem sombra daquele grande esquadrão e ainda terá que encarar o "grupo da morte" em 2012, ao lado de Alemanha, Holanda e Portugal.

A equipe fez dois amistosos preparatórios antes da competição. No primeiro, perdeu de 3 a 1 do Brasil, jogando muito mal. No segundo, em casa, bateu a Austrália por 2 a 0, com uma apresentação até certo ponto convincente.

Leia as últimas notícias sobre a Dinamarca

Principal destaque: Christian Eriksen
Olho nele: Nicklar Bendtner
Ranking da Fifa: 9ª colocação
Melhor campanha: Campeã (1992)
Campanha nas eliminatórias: 6 vitórias, 1 empate e 1 derrota
Ponto forte: Mescla de bons jogadores experientes com jovens de qualidade.
Ponto fraco: Os defensores titulares estão em baixa e o elenco não é forte.
Time base: Lindegaard, Jacobsen, Agger, Kjaer e Simon Poulsen. Kvist, Zimling, Rommedahl, Eriksen e Krohn-Dehli; Bendtner.

GRÉCIA

AP
Kyriakos Papadopoulos, zagueiro da Grécia

O ditado diz que um raio não caiu duas vezes no mesmo lugar. E os gregos sabem que o título de 2004 foi um mero acaso, tanto que nem cogitam repetir o feito na edição de 2012 da Euro. A equipe, porém, continua bastante sólida e defensiva, mas com poucos talentos individuais do meio para frente.

Nos amistosos que a equipe fez antes da competição, a Grécia empatou com a Eslovênia por 1 a 1 e depois conseguiu uma suada vitória diante da Armênia, por 1 a 0. Os dois jogos foram realizados na cidade austríaca de Kufstein.

Leia as últimas notícias sobre a Grécia

Principal destaque: Kyriakos Papadopoulos
Olho nele: Giannis Fetfatzidis
Ranking da Fifa: 15ª colocação
Melhor campanha: Campeã (2004)
Campanha nas eliminatórias: 7 vitórias, 3 empates e nenhuma derrota
Ponto forte: É um time que se defende bem e, no ataque, é perigoso nas bolas paradas.
Ponto fraco: A equipe é envelhecida e o ataque faz poucos gols.
Time base: Tzorvas, Torosidis, Papastathopoulos, Papadopoulos e Spyropoulos; Katsouranis, Tziolis e Karagounis; Salpigidis, Gekas e Samaras.

IRLANDA

AFP
Robbie Keane, atacante da Irlanda

Comandada pelo experiente italiano Giovanni Trapattoni, a marca da equipe irlandesa é a defesa. A antiga escola britânica - até por ter muitos atletas que jogam na Inglaterra - ainda é a principal marca do time, que joga basicamente com duas sólidas linhas de quatro, priorizando a marcação.

Antes da Euro, a equipe irlandesa fez dois jogos amistosos. Em casa, derrotou a Bósnia por 1 a 0. No último teste antes da competição, atuou fora de casa contra a Hungria e segurou um empate sem gols.

Leia as últimas notícias sobre a Irlanda

Principal destaque: Robbie Keane
Olho nele: Aiden McGeady
Ranking da Fifa: 18ª colocação
Melhor campanha: 5ª posição (1988)
Campanha nas eliminatórias: 7 vitórias, 4 empates e 1 derrota
Ponto forte: Tem jogadores experientes e que podem cadenciar o jogo em determinados momentos.
Ponto fraco: A equipe tem pouca variedade de jogadas e atua boa parte do tempo de forma defensiva.
Time base: Given, O'Shea, Dunne, St. Ledger e Ward; Andrews, Whelan, Duff e McGeady; Keane e Doyle.

REPÚBLICA TCHECA

AFP
Petr Cech, goleiro da República Tcheca

É um time formado com a mescla de jogadores experientes e que já estão prestes a se despedir da seleção com uma nova geração de jovens promessas, mas que ainda não parece pronta para grandes desafios, como uma Eurocopa. Por isso, diferente de edições anteriores, quando chegava credenciada para brigar, dessa vez os tchecos não são vistos como uma força.

Antes do torneio, fez dois amistosos preparatórios não muito animadores. Venceu Israel de forma suada por 2 a 1 e depois perdeu da Hungria, em casa, também por 2 a 1.

Leia as últimas sobre a República Tcheca

Principal destaque: Petr Cech
Olho nele: Tomas Pekhart
Ranking da Fifa: 27ª colocação
Melhor campanha: Campeã (1976)
Campanha nas eliminatórias: 6 vitórias, 1 empate e 3 derrotas
Ponto forte: É um time consistente, forte fisicamente e com um dos melhores goleiros do mundo em sua meta.
Ponto fraco: Rosicky é o único jogador capaz de armar a equipe. Não tem bons parceiros no meio de campo.
Time base: Cech, Selassie, Hubnik, Sivok e Kadlec; Plasil, Jiracek, Rezek e Rosicky; Pilar e Baros.

UCRÂNIA

AP
Andriy Shevchenko, atacante da Ucrânia

Os ucranianos vão estrear em Eurocopas - aliás, é a única seleção debutante entre as 16 participantes -, e por isso não têm grandes aspirações entre tantas equipes de tradição, mesmo sendo sede do torneio. Shevchenko é um ídolo nacional, mas já é veterano e, sozinho, fica impossível realizar qualquer milagre.

A Ucrânia fez três amistosos antes da Euro. Começou bem a série de duelos vencendo a Estônia por 4 a 0, mas depois perdeu da Áustria por 3 a 2 e, por fim, foi derrotada pela Turquia, dessa vez por 2 a 0.

Leia as últimas notícias sobre a Ucrânia

Principal destaque: Andriy Shevchenko
Olho nele: Andrei Yarmolenko
Ranking da Fifa: 52ª colocação
Melhor campanha: Estreante
Campanha nas eliminatórias: Não disputou por ser uma das sedes
Ponto forte: Joga em casa e tem grande motivação para tentar agradar sua torcida e dar uma despedida digna a Shevchenko.
Ponto fraco: Falta de experiência da maioria dos jogadores.
Time base: Shovkovskiy, Butko, Kucher, Rakistskiy e Selin; Tymoshchuk, Rotan, Yarmolenko e Konoplyanka; Milevskiy e Shevchenko.

Leia tudo sobre: Euro 2012AlemanhaItáliaEspanhaPortugalInglaterraFrançaSuéciaUcrâniaRepública TchecaIrlandaHolandaPolôniaCroáciaGréciaDinamarcaRússiaFutebol Mundial

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG