Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Com atraso de Dinamite, quatro grandes do Rio anunciam parceria fora de campo

Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco criaram marca 'Cariocas' para negociações e projetos em conjunto

Renan Rodrigues , iG Rio de Janeiro | - Atualizada às

Hilton Mattos
Roberto Dinamite, presidente do Vasco

Em um movimento inédito, os mandatários dos quatro clubes grandes do Rio de Janeiro anunciaram, na manhã desta segunda-feira, uma parceria comercial fora das quatro linhas. O acordo foi divulgado justamente em um futuro palco de encontro entre os clubes, na Torre de Vidro do Maracanã, na zona Norte do Rio. Além de deixar lado a lado Peter Siemsen e Patrícia Amorim, que trocaram farpas durante a contratação de Thiago Neves pelo Fluminense, o lançamento também contou com um atraso de quase uma hora do presidente do Vasco, Roberto Dinamite.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

A parceria será responsável por licenciamento de produtos conjuntos das equipes, combate à pirataria, criação de franquias fora do Rio de Janeiro e estudos para melhorar os lucros com bilheterias, reduzindo a meia-entrada. Estiveram presentes o presidente do Botafogo, Maurício Assumpção, a presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, o presidente do Fluminense, Peter Siemsen e, no início, o vice-presidente de finanças do Vasco, Nelson Rocha, substituindo Dinamite.

Leia também: Ronaldinho diz que atrasos de salário foram “gota d’água” no Fla

Um contrato foi assinado entre as partes, mas qualquer um dos clubes poderá deixar o acordo quando desejar, sem multa. A intenção, porém, e de manter o elo mesmo com mudanças futuras nas diretorias e presidências.

Nelson Perez/FluminenseF.C.
Presidentes dos quatro clubes grandes do Rio de Janeiro anunciaram a parceria no Maracanã


“Contratos tem previsão de rescisão, mas sem custo", afirmou Siemsen, mandatário do Fluminense. "Se um presidente vier assumir como mandatário, acho que será uma decisão com prejuízos ao Rio, mas teremos que respeitar. Só existe rescisão para poder dar poderes a quem nos representa, não será para obrigar ou segurar ninguém.”

“Em várias situações, nos pegamos isolados em negociações comerciais", disse Maurício Assumpção, presidente do Botafogo. "Entendemos que a reunião desses quatro, tornaria o futebol carioca mais forte. Nossos executivos podem dar uma contribuição grandes neste cenário. Diferenças nós temos, algumas vezes dentro de campo, outras dentro da piscina. Mas temos que pensar como aumentar nossas receitas, como melhorar nossos projetos, como sermos mais profissionais.”

Acompanhe o Brasileirão em tempo real e com estatísticas no aplicativo iG Futebol

A empresa Golden Goal, agência de marketing esportivo que já cuida dos camarotes do estádio Engenhão, será a administradora da parceria, com uma margem de lucro nos resultados obtidos com vendas de produtos e outras ações. O movimento não será tratado como órgão independente, sem ter sede ou CNPJ, sendo operacionado pela empresa escolhida e pelas diretorias executivas e de marketing dos quatro clubes.

Criação de Liga descartada
Durante o anúncio da parceria, os presidentes fizeram questão de descartar um viés político ou a criação de uma Liga, sondada após o fim do Clube dos 13 e as mudanças de direção na CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

“Estamos pensando em colocar uma licitação para escolher um parceiro para criação de quiosques para venda de produtos. Queria deixar claro que não tem viés político, não é um embrião de criação de uma Liga. É algo voltado para buscar recursos comerciais, tanto que não existe entidade separada. Notamos que juntos, os clubes seriam mais fortes em negociações”, disse o sócio da Golden Goal, Carlos Eduardo Ferreira.

Ingressos não serão padronizados
Estudos para tentar reduzir o número de gratuidades ou meia-entradas também farão parte do projeto. A padronização dos valores, porém, não deverá ser discutida. Os clubes terão espaço para avaliar o preço cobrado em cada competição.

"No estadual o ingresso é padronizado e os resultados são aqueles, não são bons. É um trabalho que acredito que deva demorar a encontrar resultados" No Rio de Janeiro as gratuidades são muito maiores de qualquer lugar do Brasil. Os clubes pagam por isso, pagam para jogar e não tem a receita dessa gratuidade. Seria uma forma do poder público ajudar, com alguma forma de compensação"

Negociação de cotas de TV
O embrião para a criação do grupo, segundo o presidente do Botafogo, Maurício Assumpção, foi a negociação das cotas de televisão com a Globo, no ano passado. Os times abandonaram o Clube dos 13 e fizeram acordos individuais com a emissora. Uma negociação conjunta dos quatro clubes não está descartada, mas não é a prioridade de Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco no momento.

“O embrião surgiu naquela negociação anterior, a próxima só será em 2015, é muito precoce falar sobre isso. Entendemos naquele momento, quando nos unimos que sentimos força maior. Nossas preocupações neste momento são outras, por exemplo com negociação de fornecedores. Eles negociam um mesmo produto de maneira diferente para os quatro clubes”, disse o presidente do Botafogo, Maurício Assumpção.

Leia tudo sobre: botafogoflamengofluminensevascocariocas

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG