iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

29/11 - 14:32

Jornal suíço diz que Ricardo Teixeira levou propina de empresa

Às vésperas da escolha das sedes das Copas de 2018 e 2022, Fifa também é alvo de denúncias na imprensa internacional

iG São Paulo

Ricardo Teixeira, presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), teria recebido pagamentos em uma conta secreta em Liechtenstein de US$ 9,5 milhões (cerca de R$ 16,4 milhões atualmente) da extinta ISL, entre agosto de 1992 e 28 de novembro de 1997, segundo o jornal suíço "Tages-Anzeiger". As remessas eram feitas com valores de US$ 250 mil cada (cerca de R$ 433 mil, em valores atuais), em uma empresa fantasma que seria a Sanud Establissement, registrada na cidade de Domizil. O jornal não soube explicar por que Teixeira recebeu o dinheiro.

A ISL ficou conhecida no Brasil por realizar parcerias que deixaram graves problemas em clubes de tradição como Flamengo e Grêmio. Oficialmente, a empresa ligada ao ramo de marketing faliu em 2001.

Na cidade de Zug, um tribunal revelou em julho que Nicolás Leoz, presidente da Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol), havia também recebido recursos da ISL, por meio de empresas de fachada, assim como Issa Hayatou, chefe executivo da Copa de 2010. O problema é que, nos anos 90, o pagamento de propinas por uma empresa na Suíça não era ilegal, contanto que o dinheiro não saísse do país ou de Liechtenstein.

AE
Teixeira durante almoço-debate com empresários sobre investimentos para 2014
 
O Ministério Público de Zurique confirmou que iniciou um processo de investigação para determinar se as alegações de pagamentos de propina não ferem as leis suíças. A Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados) insiste que não tem porque aceitar uma investigação externa, por ser uma entidade sem fins lucrativos.

A notícia sobre Teixeira vem um dia depois que outro jornal suíço, o "Sonntags Zeitung", revelou que membros do Comitê Executivo da Fifa mantinham empresas de fachada para receber dinheiro de pagamentos de propinas. A TV estatal inglesa "BBC" também revelou o caso do uso de empresas fantasmas por parte de membros do Comitê Executivo da Fifa para receber pagamentos irregulares.

As informações foram publicadas e divulgadas às vésperas da escolha das sedes da Copa do Mundo de 2018 e de 2022. Na quinta-feira, a Fifa recebe reis, chefes de estado e personalidades de nove países que buscam organizar a Copa do Mundo.

O processo, porém, tem sido marcado por acusações de corrupção e polêmicas. A Fifa já afastou seis de seus cartolas, pegos em vídeos secretos oferecendo vender seus votos em troca de milhões de dólares.

*Com agências


Leia mais sobre: Ricardo Teixeira CBF Fifa Tages-Anzeiger Suíça ISL Sanud Establissement Propina

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias