iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

17/09 - 09:31

Argentina supera Brasil em exportação de jogadores, diz estudo
Depois de mais de dez anos como maior exportador mundial de jogadores, essa inversão de papéis aconteceu, segundo uma consultoria em marketing esportivo

BBC Brasil

De acordo com uma pesquisa da Euroamericas, a Argentina vendeu 1.716 jogadores de futebol em 2009, contra 1.443 saídos do Brasil. A grande maioria dos jogadores – 81,4% – foi para ligas europeias. O resto foi comprado por mercados considerados emergentes no futebol, como Arábia Saudita e Emirados Árabes.

Esse "êxodo de estrelas" teve início em 1995, quando a maior parte das ligas europeias reduziu as restrições no número de estrangeiros em cada time. Desde então, o número de jogadores argentinos comprados no exterior aumentou em 789%.

Talentos jovens
A consultoria afirma que o resultado do estudo reflete a política dos clubes argentinos de vender jogadores cada vez mais jovens. "Nos últimos cinco anos, notamos que a maioria dos transferidos não chega sequer à primeira divisão argentina. São menores de idade saídos das categorias de base", disse Gerardo Reyes, diretor da Euroamericas.

O caso mais conhecido é o do astro Lionel Messi, vendido ao Barcelona ainda na adolescência. Ele bateu diversos recordes: o mais jovem jogador da liga espanhola, aos 16 anos, e também o mais jovem a marcar um gol no campeonato.

A venda de jogadores jovens é polêmica na Argentina. Alguns críticos dizem que isso enfraquece o campeonato nacional local. O empresário Ramón Maddoni – responsável por descobrir talentos argentinos como Carlos Tévez, Juan Pablo Sorín e Fernando Gago – acredita que os jogadores do país deveriam ter, quase como exigência profissional, pelo menos um ano de experiência na primeira divisão argentina.

"Muitos dos jogadores que administrei jogaram uma ou duas temporadas antes de imigrarem, e isso os ajudou muito a se destacarem em ligas tão exigentes como a espanhola e a inglesa", disse ele. "Não se pode vender um jogador tão jovem antes de ele conhecer primeiro o seu próprio futebol", opinou. 

Para os clubes, muitos deles afundados em dívidas milionárias, as vendas internacionais se transformaram no principal recurso financeiro. "Eles agem por um conceito de 'aqui e agora': se têm uma oferta de um clube estrangeiro, eles não recusam, pois não sabem se em um ou dois anos o jogador valerá o mesmo. Ele pode vir a valer mais ou menos, mas não se pode arriscar", disse Reyes.

Em ligas europeias, a principal receita dos clubes é com direitos de televisão, marketing e com o quadro de sócios. No entanto, os times argentinos dependem da venda dos seus talentos. "Cada ano, as equipes argentinas têm nos seus orçamentos a venda de um jogador, que acaba sendo parte do patrimônio do clube que o descobriu e o comprou no mercado local", disse Ernesto Cherquis Bialo, porta-voz da Associação Argentina de Futebol (AFA).

Nesse tipo de negócio, quase todos saem ganhando – os clubes, os donos do passe, os intermediários e o próprio jogador, que leva 15% do valor da transação. Os clubes que revelaram os craques também embolsam uma parte do dinheiro, assim como a AFA. Em 2009, a associação arrecadou US$ 3,5 milhões só com os 3% que a entidade tem direito.

Maddoni ressalta que para o negócio dar certo, é preciso investir muito tempo e trabalho para achar e formar os craques. "Precisamos nos convencer de que é com muito trabalho nas divisões inferiores que realmente se forma jogadores de exportação", disse o experiente empresário, que trabalha há 35 anos revelando craques.


Leia mais sobre: Argentina Brasil Mercado da Bola

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


AP

argentina x espanha messi

Lionel Messi
Craque é um exemplo de tendência da Argentina: vender jogadores muito jovens para a Europa

Topo
Contador de notícias