iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

28/04 - 09:39

Rogério Lourenço segue passos de Andrade e tem missão complicada em sua estreia no time principal
Ex-zagueiro, agora técnico interino, já marcou gol contra o Corinthians na Libertadores de 1991 e dá de ombros para a pressão em mais um desafio na carreira

Vicente Seda, iG Rio de Janeiro

Roer osso duro parece ser uma constante na carreira de Rogério Lourenço. Em 1988, já zagueiro profissional, recebeu a missão de substituir Mozer, da seleção brasileira, na defesa do Flamengo. Como treinador, vem subindo degraus no clube.

Rogério Lourenço foi técnico dos juvenis e, após a demissão de Adílio, em 2008, assumiu os juniores. O então vice de futebol, Kléber Leite, não escondia a intenção de ver o então técnico da seleção brasileira Sub-20 no comando do time principal, desejo também de seu sucessor, Marcos Braz, que colocou Rogério como auxiliar de Andrade no início deste ano. Mal assumiu como interino e já tem uma pedreira pela frente: o Corinthians, que enfrenta nesta quarta-feira, pelas oitavas-de-final da Libertadores.

Não são poucas as semelhanças com a trajetória de Andrade, a quem substitui agora. O técnico demitido no sábado, como Rogério, vestiu a camisa do rival Vasco, começou na base, tornou-se auxiliar técnico no time principal e assumiu em um momento de crise e falta de opções no mercado da bola. O interino, que como Andrade pode vir a ser efetivado se obtiver bons resultados, já foi campeão da Libertadores como jogador, mas pelo Cruzeiro. Na Gávea, permaneceu até 1994, conquistando títulos como a Copa do Brasil de 1990 e o Brasileiro de 1992. Ele retornaria em 2000 para fazer mais dois jogos pelo clube onde começou aos 13 anos e pendurar as chuteiras, iniciando a carreira de técnico em 2006.

Na Libertadores de 1991, encarou o Corinthians, mas na fase de grupos. Empate em 1 a 1 no Rio e, em São Paulo, vitória dos cariocas por 2 a 0, com gols de Gaúcho e Rogério, que pouco lembra do lance. Após escanteio, ele se embolou com a zaga corintiana e empurrou a bola para a rede. "Foi mais um gol contra, né? Me ajudaram ao dizer que o gol foi meu", brincou o técnico que, enquanto zagueiro, fez 282 jogos e 23 gols.

Mesmo sem muitas memórias do lance de bola parada, este tipo de jogada é considerada prioridade por Rogério, que reduziu o tradicional recreativo nas vésperas das partidas para comandar um treino tático. "Se não me engano, mais de 50% dos gols saem de bola parada. Temos de aproveitar as chances que tivermos a nosso favor, porque isso pode fazer a diferença", analisou, justificando o pedido para que o treino não fosse filmado. "Não é segredo, até porque não há segredo no futebol de hoje, mas tentamos guardar alguma coisa para ter um fator surpresa. A função do técnico é fazer cada um render o melhor que pode em sua posição".

Rogério assumiu o time em fase complicada, logo após a demissão do vice de futebol e do técnico campeão brasileiro, decisão da presidência que não agradou ao elenco. Sem tempo para curar feridas com simpatia, ele resolveu enterrar o assunto, no qual disse não ter tocado desde sábado. "A relação com o elenco é boa, tranquila, não estou fazendo nada que já não fazia antes". Cercado por câmeras na terça-feira, não se incomodou com a pressão. "Não sei se esse é o meu jogo de maior pressão, mas certamente é o maior número de câmeras. Não me intimida, apesar de eu estar dirigindo o time pela primeira vez. Vou seguir as convicções que me trouxeram até aqui. Espero que o que fizemos nesse curto período dê resultado".

A grande preocupação do treinador nos dias que antecederam o confronto foi não deixar o lado emocional atrapalhar o rendimento nos treinos e, por consequência, na partida desta quarta. "Tenho de fazer a equipe jogar bem. Tive praticamente dois dias, então foi muita conversa para mexer com o emocional deles, mostrar que estão vivos na competição. Motivar nem é preciso para um jogo como esse. Jogador do Flamengo tem de estar preparado para qualquer situação", disse o técnico, sem se permitir lamentar o confronto com um dos favoritos ao título da Libertadores logo nas oitavas de final. "Em uma grande competição, em algum momento você vai cruzar com grandes equipes. Não pode agora ficar pensando se foi melhor ou pior encarar o Corinthians nesta fase".   


Leia mais sobre: Rogério Lourenço Flamengo Libertadores

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Gazeta Press

us rogerio lourenco

Rogério Lourenço
Interino assume o lugar deixado por Andrade e já estreia em um clássico na Libertadores

Topo
Contador de notícias