iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

13/07/2009 - 19:14

Borges nega problema com Washington e pede fim de polêmica

O camisa 17 também negou que tenha afirmado que preferiu atuar sem a companhia do Coração Valente

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - O atacante Borges se arrependeu de ter quebrado um longo silêncio e garantiu que o São Paulo está em paz. O jogador se irritou muito com a informação de que não teria cumprimentado Washington ao ser substituído durante o empate por 2 a 2 com o Flamengo, no domingo.

"Saíram na imprensa algumas coisas referentes a mim e o Washington que me deixaram tristes. Jogamos várias partidas juntos e nos damos bem. Esse negócio de não termos nos cumprimentado é pura mentira. Sai do outro lado e acenei de longe porque o jogo estava empatado e precisava sair rápido", explicou.

O camisa 17 também negou que tenha afirmado que preferiu atuar sem a companhia do Coração Valente. "No intervalo eu falei que o time estava bem com o Hugo e o Marlos apoiando o ataque e era uma questão de acertar o passe para melhorar. Nem citei o nome do Washington", garantiu.

Após dar a sua versão, Borges ergueu a voz e cobrou o fim da polêmica. "Tinha mais de duas semanas que eu não vinha dar entrevistas. Às vezes o jogador expressa uma opinião e alguns criam outras situações que envolvem o caráter dos atletas, a maneira de ser com o grupo. Isso tem que parar", reclamou.

"Nunca tive problema com o Washington. As esposas dos jogadores se reúnem em casa e a dele já foi. Também já sai com ele. Aqui não existe maldade. As coisas às vezes são colocadas na imprensa de uma forma infeliz. Já joguei aqui com Adriano, Aloísio, Dagoberto, Leandro e nunca tive problema", completou.

Borges chegou até a demonstrar vontade de atuar ao lado do camisa 9. "No início do ano, quando a fase era boa, eu e o Washington formávamos um ataque mortal, todo mundo elogiava. Só que quando a fase não é boa nada está certo", lamentou.

"Agora (contra o Flamengo) o professor optou pelo Marlos e o Hugo e todos tentaram ajudar. Se eu tiver que sair, vou respeitar também", concluiu o atacante, que, sob o comando de Muricy, chegou a reclamar de ter ido para a reserva.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias