iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

15/06/2009 - 14:38

Defesa do Vasco aproveita boa fase e divide méritos

O Cruzmaltino é dono da defesa menos vazada da Série B, com apenas três gols sofridos em seis jogos

Gazeta Esportiva

RIO DE JANEIRO - O Vasco está na quarta colocação da Série B do Campeonato Brasileiro, apesar de seu setor ofensivo ter sofrido críticas nos últimos três jogos, quando não conseguiu balanças as redes nos empates sem gols contra Corinthians, pela Copa do Brasil, e contra São Caetano e Guarani, pela Segundona do Nacional.

Mas o bom desempenho do setor defensivo tem feito a diferença a favor dos cariocas. O Cruzmaltino é dono da defesa menos vazada da Série B, com apenas três gols sofridos em seis jogos. Os defensores vascaínos curtem o bom momento, mas preferem dividir os méritos com todos os companheiros.

"Acredito que essa fase da nossa defesa não se deve apenas aos jogadores do setor, mas a todos do time e também ao bom trabalho da comissão técnica. Quando o nosso adversário sai jogando, os homens de frente pressionam na marcação já no campo do rival, o que faz com que a bola não chegue boa na nossa defesa, facilitando o nosso trabalho", disse o zagueiro Vilson.

Para o lateral direito Paulo Sérgio o setor defensivo do Vasco tem mostrado uma evolução muito grande ao longo da temporada e isso se deve ao esforço e aplicação tática de todos.

"Estamos crescendo em todos os aspectos e isso tem ficado visível no nosso setor defensivo. Mas o sucesso neste caso se deve à aplicação tática de todos os jogadores em campo. Aqui todos correm para cobrir os espaços, para marcar e atrapalhar a vida dos rivais. Com isso os defensores têm mais tranquilidade para trabalhar", afirmou Paulo Sérgio.

Além da aplicação em todos nos jogos, o trabalho desempenhado pela comissão técnica também tem sido visível. Tanto que nesta segunda-feira, na reapresentação do elenco, os defensores fizeram um trabalho específico com o treinador de zagueiros Jorge Luís, que brilhou na zaga do time nas décadas de 80 e 90.

"No decorrer das partidas podemos cometer um ou outro erro e é importante ter esse tipo de trabalho para que o que houve de errado seja corrigido. É um trabalho bem específico, mais técnico, em que somos orientados a nos comportar da melhor maneira possível dentro de campo", encerrou Vilson.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias