iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

28/04 - 17:20

Simon nega erro na final do Campeonato Cearense

Juiz assinalou pênalti inexistente em favor do atacante do Ceará no clássico com o Fortaleza

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Há algum tempo Carlos Eugênio Simon não é mais o mesmo. O árbitro de duas Copas do Mundo, que ruma para a terceira, tem cometido erros crassos nos últimos anos. No domingo, na decisão do Campeonato Cearense, o gaúcho protagonizou mais uma "pisada no apito".

No primeiro jogo da decisão entre Ceará e Fortaleza, vencido pelo Tricolor por 2 a 1, Simon assinalou pênalti inexistente em favor do Alvinegro. O atacante Edu Sales caiu sozinho na área, o zagueiro mais próximo estava distante dele, mas mesmo assim a penalidade foi marcada. Sem ver o lance pela televisão, o árbitro segue convicto que acertou no lance.

"O atacante é tocado em cima da linha e cai dentro da área. Houve a penalidade máxima. O próprio zagueiro admitiu que tocou o jogador, mas que foi sem querer. Não tive a oportunidade de ver na TV. Estou com a fotografia do lance de jogo. Estou com a consciência tranquila, assim como o trio de arbitragem. O resultado da partida não passou pela arbitragem", comentou à RBSTV.

Erros grotescos de Simon
Apesar de ser o único juiz brasileiro pré-selecionado para a Copa de 2010 e, provavelmente o primeiro brasileiro a arbitrar em três mundiais diferentes, Simon tem errado com freqüência enorme nas últimas temporadas. As marcações ou não marcações erradas estão indo além dos erros admissíveis para um árbitro da Fifa.

Em 2008, Simon levou os flamenguistas à ira após não marcar um pênalti claro em Diego Tardelli, em partida pelo Brasileirão. O gaúcho virou persona non grata na Gávea, com o vice de futebol, Kléber Leite, declarando que faria de tudo para que ele não fosse ao Mundial da África do Sul.

Em 2006, na decisão do Campeonato Gaúcho, o árbitro não marcou um recuo de bola com os pés do zagueiro Bolívar para o goleiro Clemer, do Inter, que segurou a bola com a mão. No ano anterior, na decisão entre Inter e 15 de Novembro, Simon terminou a prorrogação antes dos términos dos 30 minutos, pois não parou o relógio enquanto as equipes trocavam de lado entre um tempo e outro.


Leia mais sobre: Carlos Eugênio Simon

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias