iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

28/11 - 11:29

Clube social atrapalha contas do Palmeiras
Departamento de esportes amadores do alviverde gera R$ 200 mil mas já gastou R$ 1,6 milhões neste ano

 

Agência Estado

SÃO PAULO - As contas do futebol do Palmeiras devem fechar o ano no vermelho, como aponta o balancete do mês de outubro. Mas, proporcionalmente, quem dá mais prejuízo são os departamentos amadores, como o de patinação e do conjunto aquático.

O fato leva à discussão se vale a pena ter o futebol atrelado aos outros esportes ou é possível adaptar-se ao modelo europeu, onde times são administrados por empresas e sócios não têm piscina para usar, por exemplo.

"A realidade da Europa é diferente. Não há como se comparar", diz o segundo vice-presidente, Paulo Nobre. "O futebol é a locomotiva, mas o Palmeiras é uma sociedade esportiva, com uma história riquíssima nos chamados esportes amadores. O ideal é chegar a uma administração que não dê prejuízos, claro, mas não podemos abrir mão do social."

Alguns departamentos chegam a custar oito vezes mais do que geram de receitas, como aponta o balancete. "Isso está previsto no orçamento", diz o quarto vice-presidente, Ebem Gualtieri. A justificativa é que, em qualquer empresa, os departamentos mais lucrativos subsidiam outros e a máquina anda sozinha. Mas há quem defenda a separação do futebol profissional do restante do clube, como o ex-presidente Mustafá Contursi - ironicamente atacado por dar atenção demais à área social. "É tudo Palmeiras e é assim que as coisas devem ser tratadas", rebate Paulo Nobre.

Os gastos dos departamentos amadores são irrisórios se comparados aos do futebol, que já consumiu R$ 92 milhões no ano - 80% do total gasto pelo clube. Mas o departamento administrado por Gilberto Cipullo ainda está no azul, já que arrecadou R$ 96 milhões com vendas de jogadores, patrocínios, cotas de TV e bilheteria.

Os demais departamentos dão prejuízo. O conjunto aquático, por exemplo, rendeu pouco menos de R$ 400 mil no ano, mas já consumiu R$ 1 milhão. A patinação, tradicional no clube, arrecadou R$ 45 mil, mas gastou R$ 122 mil - quase três vezes mais. Mas o grande vilão é o departamento de esportes amadores - bocha, judô e tênis de mesa, dentre outros. Para os R$ 200 mil gerados já foram gastos R$ 1,6 milhões.

"A bocha e o judô estão gastando demais", reclama Francisco Ippolito Neto, membro do Conselho de Orientação e Fiscalização (COF) que votou contra a prestação de contas do mês de outubro - apesar de ter sido eleito na chapa de Affonso Della Monica.

"É óbvio que não se pode esperar grandes receitas desses departamentos e isso foi falado na reunião do COF", diz Gualtieri. "O valor arrecadado vem do sócio, através de uma pequena taxa sobre a mensalidade que não é alta (R$ 56 no plano básico). Não há receitas de patrocínio, por exemplo, como acontece com o futebol."


Leia mais sobre: Palmeiras Clube Social



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo