iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

27/11 - 18:26

“Não existe 'o' melhor treinador no Brasil”, opina Dunga
Comandante do Brasil elogiou os três indicados ao prêmio de melhor técnico do Brasileirão

Léo Morelli, repórter iG Esporte

SÃO PAULO - Após anunciar os finalistas do Prêmio Craque Brasileirão 2008, o técnico da seleção brasileira, Dunga, ficou "em cima do muro" e não destacou quem seria o melhor treinador do futebol brasileiro.

"Não existe 'o' melhor treinador. São vários com capacidade e fazendo ótimos trabalhos. Depende muito do clube e das condições que o técnico tenha para trabalhar. Não podemos falar apenas por estar ganhando ou perdendo no momento", analisou.

Dunga, quem em pouco tempo de carreira já descobriu todas as "armadilhas" da profissão, reconheceu o bom trabalho dos líderes do campeonato. E não se limitou à Série A. "O Celso Roth passou por muitas dificuldades e está fazendo um trabalho fantástico. Outros estão se mantendo em alta há algum tempo, como Muricy e Luxemburgo. O Silas (técnico do Avaí, promovido à elite) vem bem mesmo não tendo uma qualidade tão ampla de elenco. O Adilson Batista, no Cruzeiro, também, com uma equipe muito jovem”.

O treinador fainda ressaltou a qualidade dos três jogadores que concorrem ao prêmio de Rei da Bola, que elegerá o melhor do Campeonato Brasileiro. "O Alex vem se firmando bem no Internacional. O Hernanes já esteve com a gente na seleção olímpica e principal, está na nossa lista de observação. Já o Kleber Pereira é o goleador do Santos que faz a diferença. São três jogadores de grande potencial”, disse.

Seleção e Copa das Confederações
Recém-promovido na profissão, após convite do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, Dunga analisou o atual momento da seleção brasileira e considera que vem fazendo um bom trabalho.

“Fomos campeões da Copa América, estamos em segundo nas eliminatórias, tive apenas 15 dias para   montar uma equipe para a Olimpíada e, apesar da minha falta de experiência,  trouxe a medalha de bronze. Então são coisa positivas. Agora, no último jogo, fazia tempo que o Brasil não conseguia um bom resultado contra uma equipe do nível de Portugal. Conseguimos dar alegria ao nosso torcedor, marcamos muitos gols e por isso todos nós estamos felizes com o trabalho que estamos fazendo”.

Itália, Estados Unidos e Egito não eram os adversários que o técnico Dunga esperava encontrar em seu grupo na Copa das Confederações, em 2009, na África do Sul.

“Estamos em grupo difícil, sabemos que não será fácil, mas temos qualidade suficiente para encarar os nossos adversários. Temos que estar bem preparados para superar todos os obstáculos. Vi alguns jogos do Egito e gostei. É um bom time, que não pode ser menosprezado. A Itália tem tradição e é sempre uma candidata ao título em todas as competições que disputa. E os Estados Unidos têm sido um adversário difícil para qualquer seleção ultimamente”, finaliza.


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Cesar Conti

No Museu do Futebol
Dunga esteve ao lado de do produtor do prêmio, José Maurício Machline, e de seu assistente técnico, Jorginho

Topo