iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

24/11 - 08:30

Fifa pode oferecer mais tempo para anfitriões da Copa do Mundo
"Achamos que sete anos é o tempo mínimo necessário para um país erguer toda a infra-estrutura de que precisa", explicou o Jerome Valcke, secretário-geral da Fifa

Reuters

CIDADE DO CABO (África do Sul) - Fifa está cogitando selecionar os anfitriões das Copas do Mundo de 2018 e 2022 no final de 2010 para lhes conceder mais tempo para os grandes trabalhos de infra-estrutura, declarou a organização neste domingo.

Jerome Valcke, secretário-geral da Fifa, disse que a afobação da África do Sul para completar os trabalhos de construção necessários para sediar o mundial de 2010 é prova de que os futuros anfitriões precisarão de mais tempo.

"Nós já tivemos um debate na Fifa a respeito da possibilidade de selecionar os anfitriões de 2018 e 2022 ao mesmo tempo. Vamos iniciar o processo de escolha de 2018 no começo do ano que vem e esperamos tomar uma decisão até dezembro de 2010", disse ele.

"Achamos que sete anos é o tempo mínimo necessário para um país erguer toda a infra-estrutura de que precisa para sediar uma Copa do Mundo".

A África do Sul foi escolhida como sede do mundial de 2010 em maio de 2004, o que deu à nação somente seis anos para se preparar.

O país está construindo seis novos estádios e renovando quatro, reconstruindo aeroportos e investindo maciçamente na modernização de seus sistemas rodoviário e ferroviário. Muitos dos projetos têm prazos apertados.

A Fifa escolheu o Brasil como anfitrião da Copa de 2014 em outubro de 2007.

As apostas para a Copa de 2018 já começaram, com Austrália, Bélgica, Holanda, China, Inglaterra, México, Rússia, Espanha, Portugal e EUA já sinalizando seu interesse.

"Está muito claro que seis anos é o mínimo aceitável para organizar uma Copa do Mundo. Não há muita flexibilidade e o tempo é fundamental", disse Valcke. "Muitos projetos na África do Sul estão programados para terminar só um mês antes do torneio".


Leia mais sobre: Copa do Mundo Fifa

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias