iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

18/11 - 09:49

São Paulo se prepara para pressão em São Januário

Tricolor paulista não espera encontrar no domingo nenhum tipo de cortesia no território inimigo

Agência Estado

SÃO PAULO - Eurico Miranda não é mais o todo-poderoso presidente do Vasco e quem manda em São Januário agora é o ex-atacante Roberto Dinamite, que jura que o clube não é mais como antigamente. Mesmo assim, o São Paulo não espera encontrar no domingo nenhum tipo de cortesia no território inimigo, onde tentará dar mais um passo em direção ao hexacampeonato.

A saída do antigo dirigente não significa que tudo no clube cruzmaltino tenha mudado. A força nos bastidores é o que mais preocupa os atletas são-paulinos. Motivo: o rival, na 17ª colocação com 37 pontos, está ameaçado pelo rebaixamento.

"Não cabe aos jogadores falarem da força do Vasco nos bastidores. Cada clube tem o seu presidente, seus dirigentes... O que ninguém quer é ser beneficiado ou chegar ao final do duelo sentindo-se prejudicado", afirmou o goleiro e capitão Rogério Ceni, que aproveitou para fazer um pedido à CBF: "É importante ter um árbitro experiente lá".

É um jogo decisivo. "Se o Vasco estivesse em uma situação intermediária, talvez o jogo fosse mais tranqüilo. Mas pode decidir muita coisa e espero que não haja influência de fatores externos."

Mesmo assim, o goleiro são-paulino prefere dar menos importância ao que o time poderá sofrer fora de campo. "Outros estádios também trazem dificuldades. Em São Januário é um pouco mais difícil o acesso (ao estádio), mas contamos com os órgãos competentes de segurança. O difícil mesmo é enfrentar o Vasco na casa deles."

O volante Hernanes garantiu que o São Paulo está preparado para tudo. O atleta não prevê facilidades no Rio, como tem de ser nessa fase de disputa. "Já sabemos a guerra que será lá. É assim mesmo. É mais uma pedreira. E quando pensamos que poderíamos caminhar para algo mais fácil, a dificuldade continua."

Há menos de dois anos como titular, Hernanes já aprendeu que não é possível relaxar, mesmo com dois pontos de vantagem sobre o segundo colocado, o Grêmio - 68 a 66. "Ainda não dá para apalpar o título. A próxima rodada pode mudar tudo. Estamos na frente, mas a vantagem é pequena. Para o Grêmio, que está atrás, pode parecer uma eternidade."

Além do Grêmio, Hernanes mantém na disputa o Flamengo, com 63 pontos. "No futebol tudo pode acontecer, mas acredito que o título ficará entre os três mesmo, São Paulo, Grêmio e Flamengo", disse o volante, excluindo Cruzeiro e Palmeiras, que ficaram para trás, com 61 pontos, com as derrotas do fim de semana.

O atacante Borges é outro que não teme jogar no Rio, sob pressão da grande torcida do Vasco que deve lotar o estádio. "Não temi nem a Bombonera, vou temer São Januário?", indagou Borges. "Os jogadores do São Paulo são experientes, conquistaram títulos e está todo mundo pronto para jogar em São Januário."

O presidente Juvenal Juvêncio, contudo, não está nem um pouco preocupado com o que poderá acontecer em São Januário. O dirigente revelou que sempre foi bem tratado pelo colega Eurico Miranda. "Eu chegava em São Januário, tinha lá os seguranças truculentos, eu mandava chamar o Eurico e avisar que estava lá. Aí ele me dava o camarote 32 e servia um queijinho. Era uma beleza! Eu espero que isso se repita agora."

Mesmo assim, ele admite que vai reforçar a segurança da delegação são-paulina para evitar contratempos. O superintendente Marco Aurélio Cunha, por sua vez, acha que mesmo depois da saída de Eurico "ainda há um resíduo comportamental" no Vasco e "coisas estranhas acontecem por lá". "Mas não tememos nada. Temos um time experiente", diz o dirigente.


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo