iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

18/11 - 18:14

No MP, Luxa identifica agressores e garante: fica no Verdão
"Não posso tomar uma medida radical de sair do clube por causa de 20, 30 torcedores", disse o treinador

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - O técnico Wanderley Luxemburgo esteve na tarde desta terça-feira no Ministério Público (MP) para conversar com o promotor Paulo Castilho e representantes da Polícia Civil e Militar sobre os problemas com integrantes da Mancha Alviverde no final da última semana. O treinador procurou identificar os agressores, mas reiterou principalmente a intenção de seguir o projeto no Palmeiras.

Na noite desta segunda-feira, Luxemburgo conversou com J.Hawilla, presidente da Traffic, a parceira do futebol do Palmeiras. O treinador assegura que recebeu o apoio necessário para seguir no Parque Antártica.

“Minha cabeça é de construir alguma coisa, o Palmeiras é muito maior que a torcida Mancha Verde, eu vou enfrentar isso. Não posso tomar uma medida radical de sair do clube por causa de 20, 30 torcedores”, explicou Luxemburgo.

O treinador promete seguir focado no trabalho para trazer alegria aos “verdadeiros” palmeirenses, como classifica o próprio Luxemburgo. “Meu sucesso é levar o time para a Libertadores pelos 10 milhões de torcedores. Importante é que já recebi declarações de apoio da diretoria e do Ministério Público”, destacou.

Falhas na Lei: Os agressores de Luxemburgo vão responder o processo por lesão corporal, mas o próprio Paulo Castilho, promotor do Ministério Público, reconhece que a lei é suave para esses casos e a prisão dos responsáveis é improvável.

“O Luxemburgo identificou três, quatro pessoas. É um crime de lesão corporal, a pena é branda. Eles também serão levados ao Jecrim (Juizado Especial Criminal) para punição. Pela legislação, eles ficariam afastados dos estádios por dois anos, mas não temos nada que permita algo mais efetivo”, admitiu Paulo Castilho.


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo