iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

15/11 - 01:02

Luxemburgo acusa a Mancha Alviverde de agressão; torcida organizada se defende

Técnico diz que registrou até queixa na delegacia, mas torcedores argumentam que ele agrediu primeiro

Agência Estado

RIO DE JANEIRO - A aparente e frágil tranqüilidade dos últimos dias no Palmeiras foi quebrada na noite desta sexta-feira, pouco mais de uma hora antes do embarque do time para o Rio, onde a equipe enfrenta o Flamengo, neste domingo, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro. Um grupo formado por cerca de 20 integrantes da torcida organizada Mancha Alviverde encurralou a delegação palmeirense no saguão central do Aeroporto de Congonhas por volta das 21 horas. Mas o alvo principal era Vanderlei Luxemburgo.

Em entrevista exclusiva na chegada ao Rio, o treinador disse ter sido agredido. "Foi uma covardia do pessoal da Mancha", afirmou, nervoso. "Fui agredido, registrei queixa na delegacia e passei por exame de corpo de delito". Luxemburgo mostrou o inchaço em seu cotovelo e algumas manchas. "Identifiquei o André [Guerra, presidente da torcida] e o Leandro, entre outros diretores da Mancha".

Um representante da Mancha, que não quis se identificar, rebateu a versão do treinador e disse que quem agrediu primeiro foi Luxemburgo. De acordo com o integrante, a diretoria da torcida já pediu aos responsáveis pelo circuito interno de monitoramento do Aeroporto de Congonhas as fitas com as imagens do confronto.

A torcida organizada foi cobrar o técnico pelos maus resultados recentes - sobre tudo a derrota para o Grêmio por 1 a 0 no domingo -, mas Luxemburgo teria se negado a dar explicações. Segundo a assessoria de imprensa do Palmeiras, houve troca de empurrões entre seguranças do clube e manifestantes até a chegada da Polícia Civil, que confirmou a briga e contou ter usado uma bomba de efeito moral para acalmar os ânimos.

Segundo assessores do clube, o técnico chegou antes do restante da delegação e encaminhou-se à sala de embarque. Os jogadores e a comissão técnica conseguiram pegar o avião, enfim, às 22 horas. "Tive de chamar alguns policiais amigos meus", comentou o comandante palmeirense.

Bastante irritado, Luxemburgo garantiu, ainda, que vai levar o caso adiante. "Quero levar o caso ao Ministério Público e vou pedir proteção especial para mim e para minha família", declarou. "O Paulo Serdan [ex-presidente e um dos mais influentes dirigentes da Mancha] já havia ligado para o clube e avisado que isso aconteceria", prosseguiu. "Mas não tive medo e enfrentei essa gente. A partir de agora qualquer coisa que ocorrer comigo será culpa da Mancha". A reportagem tentou contato com Serdan, mas não o localizou.

Prevendo confusão, o Palmeiras cancelou o treino que seria realizado neste sábado pela manhã no CT do clube e antecipou a viagem para a capital fluminense - não esperava que a Mancha fosse ao aeroporto.


Leia mais sobre: Vanderlei Luxemburgo Palmeiras Mancha Alviverde



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Gazeta Press/Aldo Carneiro

Caso no Ministério Público
Luxemburgo diz que Mancha já tinha ameaçado fazer confusão no aeroporto e quer proteção

Topo