iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

14/11 - 19:17

Com medo de contusões, Santos diminui carga de treinamentos
"Os jogadores chegaram ao nível máximo de rendimento", explicou o técnico Márcio Fernandes

Gazeta Esportiva

SANTOS - Com receio de perder alguns de seus principais jogadores para as últimas rodadas do Campeonato Brasileiro, o técnico Márcio Fernandes vem reduzindo a carga de treinamentos. O método do treinador consiste em atividades de menor esforço, como o ‘dois toques’, finalizações e o treino alemão, onde três equipes trocam passes num espaço de campo reduzido.

Esta forma de trabalhar já gerou muitas críticas ao comandante alvinegro, que expôs os seus motivos para a realização destes treinamentos ao invés do tradicional coletivo. ˝Estamos no final do ano e tudo fica mais difícil. Os jogadores chegaram ao nível máximo de rendimento. Se fizéssemos esse tipo de treino, não sei o que esse desgaste poderia acarretar˝, explicou.

Segundo Márcio Fernandes, com este tipo de trabalho, os atletas chegam mais inteiros para as partidas. ˝São treinamentos tranqüilos, de menor intensidade, para que possamos tê-los 100% durante os jogos˝, comentou.

Mesmo com uma carga menor de esforço, o técnico santista gosta de, uma vez por semana, realizar um jogo-treino. E justamente numa partida destas, nesta quinta-feira, contra os Juniores, com um pouco mais de intensidade, o zagueiro Domingos sentiu uma lesão no ligamento colateral do joelho e teve que deixar o campo, virando dúvida para o duelo com o Internacional, domingo, na Vila Belmiro.

Este tipo de atitude adotada pelo atual comandante do time da Vila Belmiro contrasta com o trabalho que era feito pela comissão técnica de Cuca, antecessor de Fernandes.

Durante a inter-temporada do Peixe, os jogadores chegaram a trabalhar em três períodos. Alguns integrantes do elenco sofreram com o método de Cuca, caso do atacante Lima, que teve uma lesão no púbis, e do meia Róbson, que por um pedido do ex-treinador forçou uma volta aos gramados antes do prazo normal de recuperação, mas não foi feliz, pois teve um estiramento muscular que o afastou dos jogos durante dois meses.

Apesar de ser constantemente elogiado pelo grupo, o técnico do Santos minimiza a mudança de metodologia e destaca a melhora do convívio entre os atletas como responsável pela melhora da equipe na competição. ˝O ambiente é outro. Vocês (jornalistas) podem falar melhor do que eu˝, concluiu Márcio Fernandes.


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo