iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

12/11 - 19:34

Adaílton apóia Kléber Pereira e desmente súmula por Fábio Costa

“Eles não podem ser castigados. Eu posso garantir, porque estava ao lado do Fábio", disse o zagueiro

Gazeta Esportiva

SANTOS - Após Kléber Pereira se pronunciar sobre a polêmica envolvendo a arbitragem de Elmo Alves Resende Cunha no jogo em que o Santos foi derrotado pelo Vasco, o zagueiro Adaílton resolveu manifestar o seu apoio ao atacante e também a Fábio Costa, acusado na súmula da partida de ter se dirigido de maneira ofensiva ao quarto árbitro. Para o defensor, tanto Pereira quanto Fábio Costa não devem sofrer punições do STJD.

“Eles não podem ser castigados. Eu posso garantir, porque estava ao lado do Fábio, que ele não disse nada daquilo que foi relatado. E o Kléber não pode ser julgado por algo que ele fez de cabeça quente”, destacou. “Seria incoerente prejudicar quem foi prejudicado”, completou.

Inconformado com a situação, Adaílton não poupou críticas ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). “É curioso como um jogador (Fabiano Eller) pode pegar três jogos, apelar e não ser liberado, enquanto outro (o botafoguense Jorge Henrique) pega quatro meses, não cumpre nem uma partida e já está liberado”, comparou.

“Não sei são dois pesos e duas medidas, porque não estou lá dentro para saber. Mas que isso influencia numa reta final de campeonato, sem dúvida alguma”, apontou o defensor do Peixe.

O atleta foi além e declarou que o futebol brasileiro vive um momento complicado. “A hipocrisia está reinando. Não podemos falar mais o que pensamos”, protestou Adaílton, que espera que o clube faça o possível para evitar uma suspensão de Kléber Pereira e Fábio Costa.

“Esse assunto está a cargo da diretoria. Porém, esperamos contar com eles nas próximas rodadas. O Fábio é, na minha opinião, o melhor goleiro do Brasil e o Kléber, o nosso artilheiro. Eles fazem falta para qualquer equipe”, finalizou.


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo