iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

11/11 - 12:58

Revoltado com a arbitragem, Santos defende Pereira e Fábio Costa

Jogadores reclamaram de juiz de forma agressiva e podem ser punidos por isso

Gazeta Esportiva

SANTOS - Revoltados com a atuação do árbitro Elmo Alves Resende Cunha na derrota do Santos para o Vasco do último sábado, o volante Roberto Brum e o lateral Wendel saíram em defesa dos jogadores Fábio Costa e Kléber Pereira. O goleiro e o atacante estão tendo suas declarações analisadas pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva e correm o risco de serem indiciados pelo tribunal.

Caso sejam condenados, podem desfalcar o Santos nesta reta final de Campeonato Brasileiro. Para Brum, o tipo de reação dos santistas ao término da partida foi algo natural, pois segundo ele, o time da Vila Belmiro foi prejudicado.

“Em Portugal, tive um técnico chamado Nelo Vingada, que me ensinou uma coisa: se na tua casa entra alguém mais forte que você e ameaça a sua família, mesmo sendo mais fraco, você vai defender os seus entes queridos. O mesmo aconteceu com eles. Entraram duas vezes na nossa casa e nos tiraram pontos preciosos. De alguma forma eles iriam reagir”, filosofou, relembrando o desempenho da arbitragem no duelo com o Grêmio, no mês passado.

Wendel também aproveitou a oportunidade para fazer a defesa de seus companheiros. “Estamos juntos com o Kléber Pereira e o Fábio Costa. Temos de entender que estamos no fim do ano, todos estão saturados e esse tipo de coisa (arbitragem) mexe com o emocional do jogador mesmo”, destacou.

Brum, por sua vez, espera que os acontecimentos deste final de semana não tirem Fábio Costa e Kléber Pereira das últimas rodadas do Brasileirão. “Nós nem cogitamos isso. Eles são peças fundamentais do nosso grupo dentro de campo”, disse. “Espero que ninguém tome uma decisão precipitada e entenda que esses casos não são passíveis de punição e que eles possam ser absolvidos”, acrescentou.

O meio-campista ainda questionou a escala de árbitros feita pela CBF. “Não posso generalizar, mas o (Carlos Eugênio) Simon poderia ter apitado esse jogo. Ele é um cara imparcial. Nós nunca ganhamos nem perdemos por causa dele. Agora, o que não pode acontecer é colocar um juiz que apitou dez jogos de Brasileirão para apitar um confronto desses”, afirmou. “Não queremos ajuda de ninguém, só precisamos ser respeitados. No entanto, dentro de campo não estamos recebendo o devido respeito”, encerrou.


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo