iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

10/11 - 15:01

Botafogo usa brigas de torcidas no Maracanã para criticar CBF

Clube enviou uma nota oficial para a CBF contestando decisão de mudar o jogo para o Maracanã

Gazeta Esportiva

RIO DE JANEIRO - Com a justificativa de que o entorno do Estádio João Havelange não apresentava condições de segurança, o Botafogo teve que mandar o clássico contra o Flamengo no Maracanã. Após o jogo, o Alvinegro voltou a contestar a decisão da Polícia Militar e da CBF, citando brigas e prisões ocorridas após o jogo do último domingo.

Através de uma nota oficial, os botafoguenses ressaltam os problemas ocorridos nas ruas próximas ao Maracanã. O clube de General Severiano ainda aproveitou para lembrar que sediou clássicos contra Vasco e Fluminense no Estádio João Havelange, sem que fossem registradas ocorrências mais graves.

E a violência entre as torcidas de Botafogo e Flamengo foi além da relatada pelos alvinegros na nota oficial. De acordo com o jornal O Globo desta segunda-feira, uma menina de 15 anos foi baleada quando se dirigia de ônibus com outros botafoguenses para o Maracanã.

Janice Coutinho, a vítima, teria sido atingida em Niterói, por um disparo feito por uma veículo cuja placa não foi identificada. A jovem foi levada ao Hospital Estadual Azevedo Lima, mas não corre risco de morte.

Confira abaixo a nota oficial publicada no site oficial do Botafogo:

“Há duas semanas a CBF tirou o jogo entre Botafogo e Flamengo do Estádio Olímpico João Havelange, alegando falta de segurança do estádio mais moderno do país para esse clássico.

A partida aconteceu nesse domingo e, segundo informações do Globoesporte.com, houve briga de torcidas do lado de fora do estádio e 16 pessoas foram presas. Houve nervosismo e correria no local.

Vale lembrar que o Botafogo realizou, com sucesso, dois clássicos, contra Vasco e Fluminense, no seu estádio e ambos transcorreram sem grandes problemas.”


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo