iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

04/11 - 17:26

Aproveitar-se do 1 a 0 parcial é pensamento proibido no Flu

Comandados de René Simões já saem na frente do Figueira, pois venciam quando faltou energia no Orlando Scarpelli

Gazeta Esportiva

RIO DE JANEIRO - A derrota por 1 a 0 no clássico contra o Vasco fez com que o Fluminense voltasse à zona de rebaixamento do Brasileirão, mas a passagem pelas últimas quatro colocações pode ser curta. Basta aos cariocas baterem o Figueirense nesta quarta-feira.

E os comandados de René Simões já saem na frente, já que venciam por 1 a 0 quando faltou energia no Orlando Scarpelli e o jogo foi suspenso com 15 minutos do primeiro tempo.

Esta vantagem, no entanto, deve ser esquecida pelos tricolores. O discurso de ordem nas Laranjeiras é esquecer o gol assinalado por Arouca, porque os catarinenses também estão na faixa da degola e são um adversário direto na briga para não voltar à Série B do Brasileiro.

“Sabemos que não haverá moleza e por isso não temos que entrar pensando no placar. O técnico tem conversado muito com a gente sobre isso e sabemos que um resultado positivo nos deixa fora da zona do rebaixamento”, explica o atacante Everton Santos.

René Simões não tem dúvidas para escalar a equipe, já que o regulamento ordena que seja repetido o time que estava em campo quando aconteceu o “apagão”. Com isso, a formação não será diferente da que decepcionou no domingo.

Para apagar a má atuação na primeira derrota sob o novo comando, a idéia é se aproveitar do desespero do Figueirense. E o otimismo tem dominado o elenco do Fluminense, apesar de figurar no penúltimo lugar do Brasileiro, duas posições abaixo dos rivais desta quarta-feira.

“Eles virão com tudo para buscar o placar e temos que ter atenção desde o início. É uma briga direta na classificação e temos que aproveitar esta chance para somar pontos. O grupo está confiante”, garante o volante Wellington Monteiro.


Leia mais sobre: Fluminense Brasileirão



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo