iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

02/11 - 20:54

Adilson se culpa até por escalar Espinoza: “Fiz tudo errado”

“É preciso ter calma e pedir desculpa à torcida que veio aqui e nos apoiou. Hoje não foi possível", disse

Gazeta Esportiva

GOIÂNIA - O Goiás precisou somente de 16 minutos neste domingo para fazer 3 a 0 no Cruzeiro e abater Adilson Batista. Visivelmente frustrado, o técnico celeste explicou de maneira simples a derrota e a fraca atuação de sua equipe no Serra Dourada: assumiu toda a responsabilidade do tropeço.

Sincero, o treinador admitiu ter se equivocado até mesmo na escalação de Espinoza, constantemente criticado e decisivo nos gols goianos. “Pode ser que erramos na entrada do Espinoza, na escalação, na escolha do sistema, no planejamento. Hoje (domingo) fiz tudo errado. Acabamos perdendo e a responsabilidade é nossa”, declarou Adilson. “É preciso ter calma e pedir desculpa à torcida que veio aqui e nos apoiou. Hoje não foi possível”.

Ainda em rota de colisão com a torcida, que não aceita algumas de suas substituições, o ex-zagueiro foi logo defendido pelo goleiro Fábio após o revés. O jogador, um dos líderes do elenco, tratou de demonstrar apoio ao chefe e também a Espinoza.

“Os jogadores estão juntos com o Adilson em todas as decisões, tanto em vitórias como nas derrotas. Sabemos que todos nós não rendemos o que poderíamos, não tem que citar nomes. A equipe não jogou bem, ninguém sabe qual foi o motivo”, comentou o camisa 1.

Antes de ouvir as palavras de seu arqueiro, comandante ressaltou também as qualidades do Goiás diante dos seus próprios erros – o treinador já havia destacado durante a semana a qualidade de Iarley e Paulo Baier, que fez os dois primeiros gols e foi um dos grandes nomes da partida ao lado do atacante.

“Não podemos tirar o mérito do Goiás, que foi bem. Mas tivemos muita desatenção. Tivemos dificuldades, marcamos errado, deixamos alguns jogarem. A responsabilidade é nossa, assumo o erro e parabéns ao Goiás”, frisou, recusando-se a culpar o desgaste da viagem ao Centro-Oeste pela derrota.

“É sempre difícil jogar em Goiânia. O Goiás também teve desgaste na quarta-feira e nós fizemos um grande jogo no mesmo dia contra o Grêmio. É difícil jogar os 72 jogos bem, mantendo o mesmo nível, até em função do adversário”, analisou.

“O Goiás jogou no contra-ataque em um sistema mais cauteloso que o Hélio já vem fazendo mesmo em casa. E o explorou bem. No segundo tempo nós criamos alguma coisa, mas infelizmente não conseguimos fazer”, lamentou o fraco poder de sua defesa diante de um Goiás que tinha somente Iarley como atacante.


Leia mais sobre: Adilson Batista Cruzeiro

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias