iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

30/10 - 23:10

Geninho lamenta: “poderíamos ter matado o jogo”

"Nós poderíamos ter definido o jogo fazendo 3 a 1 ou 4 a 1, mas o futebol é assim, ele te castiga", disse técnico

Gazeta Esportiva

RIO DE JANEIRO - Até os 42 minutos do segundo tempo, o Atlético-PR vencia o Vasco por 2 a 1 em São Januário e aproveitava os contra-ataques para levar muito perigo à meta defendida por Rafael. Foi quando Mádson acertou um chute indefensável de fora de área e decretou o empate. Ao técnico Geninho, restou apenas lamentar as chances perdidas.

“Poderíamos ter matado o jogo. O Vasco veio para cima e se expôs ao contra-ataque. Nós poderíamos ter definido o jogo fazendo 3 a 1 ou 4 a 1, mas o futebol é assim, ele te castiga. Se você tem a chance e não faz acaba lamentando”, explicou o treinador.

Geninho se referiu às chances desperdiçadas por Pedro Oldoni e Netinho momentos antes do gol de empate. O primeiro invadiu a área e, cara a cara com Rafael chutou rasteiro e fraco. O segundo se esticou para alcançar um cruzamento, mas não conseguiu acertar a bola no gol com o goleiro vencido.

“Um ponto fora de casa conquistado contra um adversário direto pode ser encarado de maneira positiva. Nós lamentamos porque tivemos os três pontos na mão, quando vencíamos por 2 a 1 e poderíamos ter definido. Ficou um empate com sensação de que poderia ter sido mais”, continuou Geninho.

“Está faltando tranqüilidade. Fiz um gol e tive a chance de fazer outro no final, mas desperdicei. Temos que continuar criando nas próximas partidas para melhorar o aproveitamento e sair vitorioso”, disse Pedro Oldoni, autor de um dos gols do pior ataque do Brasileirão, que balançou as redes apenas 32 vezes.

Após o emocionante empate, Vasco e Atlético-PR continuam seriamente ameaçados pelo rebaixamento. O time carioca tem 31 pontos, na 19ª colocação, enquanto o Furacão vem logo acima, com um ponto a mais.


Leia mais sobre: Geninho Atlético-PR



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo