iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

28/10 - 14:25

Diretoria age com rapidez e apaga pichação na Academia

Torcedores haviam pichado um dos portões da Academia de Futebol com o pedido de "Raça Verdão"

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - O Centro de Treinamento do Palmeiras foi alvo de um protesto da torcida após a derrota para o Fluminense e a saída do G-4 do Campeonato Brasileiro. A Academia de Futebol amanheceu nesta terça-feira com uma frase pichada em um dos portões da Avenida Marquês de São Vicente com a seguinte solicitação: “Raça Verdão”.

Imediatamente, a direção alviverde entrou em ação e, por volta de 13h30, a reportagem presenciou que a manifestação já estava apagada.

A diretoria do Palmeiras procurou minimizar o caso, mas considerou exagerado o pedido de raça aos atletas, responsáveis pelo título paulista no primeiro semestre. O time de Parque Antártica teve uma queda nas últimas quatro partidas, com dois empates e duas derrotas.

“Ninguém ficou satisfeito com o resultado. Entendemos que a torcida tem o seu direito de manifestação, mas não acho que houve problema de raça e sim uma má jornada. Agora é virar a página. Estamos empenhados e comprometidos na competição”, disse o diretor de futebol Genaro Marino.

Nesta terça-feira, o técnico Vanderlei Luxemburgo e o superintendente de futebol Toninho Cecílio terão a missão de apagar o incêndio na Academia. Desde a derrota no Rio de Janeiro, dois importantes jogadores entraram em colisão através da mídia.

Logo na saída do gramado, o goleiro Marcos, visivelmente abalado com a má atuação palmeirense, apontou as falhas da equipe no Maracanã. A resposta veio através do meia Diego Souza, que pediu ao companheiro mais cuidado nas declarações.

“Acho que ambos têm razão”, opinou Genaro Marino. “É melhor você falar o que pensa, tendo coerência, do que não falar nada. É uma demonstração de sentimento. O Marcos não fala para denegrir. Já o Diego Souza entendeu que era algo a ser discutido no grupo”, emendou o cartola.


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo