iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

28/10 - 11:00

Colegas do tetra repetem desculpas e aprovam Dunga
Responsáveis pelo triunfo de 1994 lembram que a seleção passou por problemas antes de levantar a taça

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Se vê a rejeição popular ao seu comando na seleção brasileira aumentar a cada tropeço nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, Dunga conta com o apoio de velhos amigos em seu trabalho à frente do time nacional. Companheiros da equipe que conquistou o Mundial em 1994 são solidários ao ex-capitão.

Procurando passar tranqüilidade ao ex-volante, os responsáveis pelo triunfo no Estados Unidos lembram que a seleção também passou por problemas antes de levantar a taça há 14 anos, como a derrota para a Bolívia em La Paz nas Eliminatórias para aquela Copa do Mundo – a primeira da história do time na competição.

Diante da recordação, o discurso de força a Dunga é o mesmo que o comandante adota após os resultados ruins: a falta de tempo para treinar e o frustrante desempenho dos craques. “O problema é que a seleção não tem seqüência. Você vê os jogadores bem nos clubes, mas a seleção só se reúne para jogar e eles não conseguem ir bem. Neste último jogo (0 a 0 com a Colômbia no Maracanã), individualmente e coletivamente o time não foi bem. O Robinho jogou mal, o Kaká foi mais ou menos...”, explica Taffarel, um dos que mais tentam apaziguar a vida do colega.

“Tudo na seleção tem uma repercussão muito grande. Nunca você é unanimidade. É preciso equilíbrio, porque este time tem potencial. É preciso ver a seleção não como um compromisso, não adianta só ficar em contente em estar lá. Tem que se doar mais, trabalhar, e acho que esta seleção está unida neste sentido. Como jogador, enfrentei jogos nas Eliminatórias em que fomos muito vaiados mesmo e essa é uma pressão que o jogador da seleção sabe que vai acontecer”, aposta o ex-goleiro.

Apesar da turbulência atual, é consenso entre ex-companheiros do volante que o seu trabalho com Jorginho no time da CBF é satisfatórios. “O Dunga defendeu grandes clubes como jogador e dá à seleção brasileira as melhores condições dentro de campo. É difícil ser técnico da seleção, mas ele tem feito um bom trabalho”, avalia Zetti, hoje técnico. “Como jogador, o Dunga já se mostrava um grande profissional e tem provado isso como técnico na seleção brasileira”, completa Careca, que não levantou o tetra, mas participou das Eliminatórias.

Um dos mais criticados após os 2 a 0 aplicados pela Bolívia na altitude de La Paz em 1993, Taffarel apela até para uma rivalidade local para elogiar Dunga. “O Brasil é o segundo colocado e está na frente da Argentina, o que é sempre muito importante. Não é uma situação de tanto alarme. Ruim seria se estivesse fora da zona de classificação”, aponta o ex-camisa 1.


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo