iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

17/10 - 18:57

Revoltado, Toninho Cecílio dispara contra dirigente gremista

André Krieger disse que o STJD deveria ficar mais atento com o atacante Kléber, que distribui cotoveladas nos jogos

Gazeta Esportiva


SÃO PAULO - As declarações do assessor de futebol do Grêmio, André Krieger, solicitando rigor ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) no julgamento do atacante Kléber foram recebidas com irritação pela diretoria do Palmeiras. O gerente de futebol Toninho Cecílio alterou o tom de voz quando foi questionado em relação à postura do dirigente gaúcho.

“Estamos chegando ao nosso limite. O Palmeiras tem ética. O Grêmio está na frente por competência e sempre reconhecemos isso. Não há ética por parte do André Krieger, que precisa ter mais cuidado ao falar do Palmeiras e STJD”, disse o representante do Verdão após o treino desta sexta-feira em Atibaia.

Para Kléber, o Grêmio pede o mesmo rigor do julgamento dos seus atletas ocorrido nesta semana. Léo pegou 120 dias, Morales foi suspenso por oito jogos e Réver amargou um gancho de três rodadas. Porém, apesar das penas pesadas, os três jogadores estão liberados para enfrentar a Portuguesa no final de semana por causa de um efeito suspensivo.

Não é a primeira vez que o Grêmio entra em choque com o Palmeiras. Os gaúchos já haviam reclamado de uma absolvição do meio-campista Diego Souza, julgado por acertar a mão no rosto do volante Fabrício, do Cruzeiro.

”Ficamos cansados desse André Krieger falar do Palmeiras, sendo que o Grêmio tem três atletas com efeito suspensivo, algo que não aconteceu durante todo o campeonato. Aqui, não ficamos vendo o Grêmio. Até o meu treinador (Wanderley Luxemburgo) foi a favor deles nos casos das suspensões”, lembrou Toninho Cecílio.


Leia mais sobre: Palmeiras Grêmio Campeonato Brasileiro



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Gazeta Press

Sempre na polêmica
Raçudo ao extremo, Kléber também virou alvo da direção dos clubes rivais pelo seu temperamento

Topo