iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

16/10 - 21:02

Para Luxa, intervenções do STJD desmoralizam árbitros
"Futebol não é balé. Tem choque. Se for pegar tudo que acontece, as punições vão acontecer toda hora”, disparou o treinador

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - O técnico Vanderlei Luxemburgo reprovou as pesadas punições a jogadores de Grêmio (Morales, Réver e Léo) e Botafogo (Carlos Alberto e Jorge Henrique) no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Mesmo com o efeito suspensivo concedido aos atletas nesta quinta-feira, na visão do treinador, os maiores prejudicados com as denúncias através das imagens da televisão são os árbitros do Campeonato Brasileiro.

“Não tenho nada contra o tribunal, mas as coisas estão sendo deturpadas. Os árbitros ficam desmoralizados com essas decisões. O jogador é punido depois que a imagem passa 500 vezes em slow motion. Futebol não é balé. Tem choque. Se for pegar tudo que acontece, as punições vão acontecer toda hora”, disse o comandante campeão paulista, após o treino desta quinta-feira na cidade de Atibaia.

Com isso, Luxemburgo demonstra clara preocupação em perder o atacante Kléber na reta decisiva da competição nacional. O jogador foi denunciado por uma cotovelada no zagueiro Asprilla, do Figueirense, mesmo recebendo o cartão amarelo no momento da jogada.

Ao analisar as imagens, o STJD considerou errada a interpretação do árbitro gaúcho Leonardo Gaciba. Por isso, Kléber acabou indiciado com base nas imagens da televisão no artigo 254 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) e pode ser suspenso por até seis partidas.

”Vi hoje algumas notícias que me preocuparam. O Kléber deve ser punido só porque os jogadores do Grêmio também foram? Não tenho nada contra o STJD ou o Paulo Schmitt (procurador-geral), mas é preciso ter cuidado nessa reta decisiva da competição”, solicitou Luxemburgo.


Leia mais sobre: Palmeiras Vanderlei Luxemburgo



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo