iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

15/10 - 12:25

Dirigente acha provocação “imprópria” e vê efeito inverso

Marco Aurélio Cunha entende que o problema na ação inusitada da torcida estava em mensagem do cartão

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - As flores que a torcida do Palmeiras mandou para o Centro de Treinamentos do São Paulo ainda não foram bem assimiladas pela diretoria tricolor. O superintendente de futebol do time do Morumbi, Marco Aurélio Cunha, não gostou do teor do cartão que acompanhava com o presente.

“Recebemos com carinho flores, mas o cartão foi um pouco impróprio e vai contra tudo que esperamos no clássico”, afirmou o vereador eleito da capital paulista. O que incomodou o dirigente foi o fato de o bilhete ter a mensagem ‘domingo tem mais’.

Marco Aurélio, que geralmente é um dos primeiros a fazer provocações em época de jogos decisivos, explicou que não é o momento de entrar em clima de brincadeiras ou de revanchismo.

“É inadequado e impróprio o momento, já que estamos lutando por uma reação boa. Eu sou de brincar, mas não faço isso. Estamos tentando colocar uma prática esportiva adequada. Se acontecer atos ruins, saberemos que a responsabilidade será deles e não do São Paulo”, ponderou.

O dirigente, inclusive, acredita que a provocação surtirá um efeito inverso, já que pode aumentar a responsabilidade do Palmeiras em vencer o jogo de domingo, que será realizado no Palestra Itália.

“O São Paulo é o bicampeão brasileiro e está em conta com sua torcida. Isso só cria uma pressão maior ainda neles, que precisam mais de um título. Não é hora de dar resposta, deixa essa responsabilidade para eles”, comentou, lembrando que o último Brasileirão conquistado pelo rival foi em 1994.

Apesar de a diretoria do Palmeiras garantir que não teve qualquer influência na brincadeira, Marco Aurélio adverte que é obrigação do rival de conter seus próprios torcedores no Palestra Itália.

“Eles têm obrigação de dominar seus torcedores dentro de sua casa para que não cometam atos impróprios”, avisou o dirigente. Na última vez em que o Tricolor atuou no Palestra, um gás tóxico foi jogado no vestiário em que os visitantes estavam.


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo