iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

14/10 - 21:30

Atuação da arbitragem contra o Grêmio ainda repercute no Santos

“Nós fomos penalizados pela sua conduta, assim como o futebol brasileiro também foi", disse o volante Roberto Brum

Gazeta Esportiva

SANTOS - A derrota sofrida pelo Santos para o Grêmio, na última quarta-feira, ainda é alvo de discussão no CT Rei Pelé. Sem esquecer da atuação do árbitro Marcelo de Lima Henrique, na partida que terminou 2 a 0 para os gaúchos, em Porto Alegre, Roberto Brum demonstrou que os santistas ainda estão bastante ressentidos com o desempenho do juiz, que no entender do Peixe foi um dos responsáveis pelo resultado negativo.

Para o volante alvinegro, a forma como o árbitro conduziu a partida só prejudica o futebol. “Nós fomos penalizados pela sua conduta, assim como o futebol brasileiro também foi. O Marcelo (de Lima Henrique) fez um mal muito grande ao tirar o Kléber Pereira, por tudo o que ele representa. Isso sem contar o que ele fez com o Eller”, disse Brum, lembrando da expulsão do zagueiro nos acréscimos do confronto.

Roberto Brum ainda citou a situação do lateral Carleto para exemplificar as suas críticas ao juiz. “O Carleto quase fez um gol e chutou a bola naquele lance do pênalti (toque de mão de Soares). Só que no vestiário ele estava chorando de raiva por não poder fazer nada contra isso. Para ele foi muito ruim, pois é um jovem, que está querendo mostrar serviço, em meio a uma renovação de contrato. Vocês (jornalistas) não sabem quanta coisa tem em jogo, só que tem muitas pessoas dependendo dele para ter uma vida digna”.

Inconformado, o meio-campista defende a idéia de uma punição ao árbitro carioca. “A gente procura trabalhar e tentar esquecer, mas não é fácil. Vamos deixar isso com o Departamento Jurídico que é o responsável por representar bem o Santos nesse tipo de situação e espero que ele pague pelos erros que cometeu”, comentou Brum.


Leia mais sobre: Santos Campeonato Brasileiro



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo