iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

07/10 - 14:52

Jogadas de bola aérea preocupam o Corinthians
O técnico Mano Menezes admite que fará seus defensores aprimorarem o fundamento durante a semana

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Os últimos três gols que o Corinthians sofreu na Série B do Campeonato Brasileiro, nos empates por 2 a 2 com o São Caetano e 1 a 1 diante do Marília, aconteceram através de jogadas de bola aérea. O técnico Mano Menezes admite que fará seus defensores aprimorarem o fundamento durante a semana.

“É um ponto a ser trabalhado”, classificou Mano. “No último gol que sofremos, marcamos de uma maneira relaxada. Deixamos um jogador se antecipar e fomos com o pé em uma bola que devia ser afastada com a cabeça. Acontece com todo mundo, mas não deve acontecer com tanta freqüência. Às vezes, você subestima um adversário e complica uma partida.”

O zagueiro William também reconheceu a falha de marcação do Corinthians, porém não definiu os cruzamentos na área como o maior problema para a defesa. “Depende de quem é o adversário. Alguns times têm bons batedores de falta, além de ser mais fácil para equipes altas. Contra o Marília, a bola estava em movimento. É mais uma questão de atenção”, comentou o capitão.

As bolas aérea, de fato, são um problema pequeno para um time que é líder da Série B do Campeonato Brasileiro com 12 pontos de vantagem para o segundo colocado (Vila Nova) e 15 sobre o quinto (Barueri). Mas Mano Menezes ainda não está plenamente satisfeito com o desempenho.

“Podemos melhorar uma série de situações. Ainda precisamos ser uma equipe mais competitiva, dando maior produtividade à nossa qualidade técnica. Isso é difícil e desafiador. Não falo em pegar a bola e fazer mais lances bonitos, mas em qualidade física e de posicionamento. Assim, seremos mais sólidos e confiáveis, para oscilar cada vez menos”, projetou o técnico do Corinthians.


Leia mais sobre:



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo