iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

06/09 - 16:59

Palmeiras acha difícil, mas não descarta reforços ainda em 2008

"Acho difícil, mas não posso dizer que não vamos contratar mais ninguém neste ano”, disse Toninho Cecílio

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - A lesão de Jéci diminuiu ainda mais as opções na criticada defesa palmeirense. A torcida, no entanto, não deve esperar por reforços. Mesmo com a possibilidade de poder inscrever mais jogadores em setembro, os diretores consideram difícil a possibilidade de contratações para este Brasileiro.

“Não acredito que o Vanderlei (Luxemburgo, técnico) vai pedir outro zagueiro já para este ano. Estamos procurando reforços em muitas posições, mas para o ano que vem. Até porque, com a janela européia fechada e a maioria dos bons jogadores da Série A já com mais de sete jogos, nossas únicas opções estão na Série B”, informou o gerente de futebol Toninho Cecílio, sem, no entanto, garantir que o elenco atual será mantido.

“Não posso nunca dizer que o grupo está fechado. O futebol é dinâmico e estamos sujeitos a lesões, por exemplo, como a do Jéci. Acho difícil, mas não posso dizer que não vamos contratar mais ninguém neste ano”, admitiu o dirigente. Para 2009, Marquinhos, do Vitória, e Cleiton Xavier, do Figueirense, estão garantidos.

A zaga é o setor mais carente do elenco alviverde. Para enfrentar o Cruzeiro em 14 de setembro, seu próximo compromisso no Campeonato Brasileiro, Luxemburgo deve promover a volta de Gladstone para atuar ao lado de Gustavo. Na reserva, como David segue machucado, os jovens Maurício e Paulo Miranda são as únicas opções.

Recentemente, o nome de Xandão, do Guarani, foi comentado como possível reforço no Palestra Itália para esta temporada. A Traffic, parceira do clube, adquiriu parte dos direitos econômicos do jogador, mas os campineiros não abrem mão de seu jogador até o final da Série C. E os palmeirenses asseguram que o defensor não está nos planos.

Enquanto ninguém chega, a ordem na equipe é apoiar os zagueiros, criticados principalmente pelas falhas na bola aérea, que causaram 48% dos gols sofridos pela equipe no Nacional. Zagueiro do Palmeiras nos anos 80 e 90, Toninho Cecílio faz a defesa dos jogadores.

“Vou um pouco contra a corrente e digo que temos bons zagueiros, só precisamos encontrar um equilíbrio principalmente na bola aérea. Mas isso não é só a zaga, também depende muito dos jogadores de meio”, apontou o dirigente, assegurando tranqüilidade mesmo depois da derrota de quinta-feira para o Sport, no Parque Antártica.

“Não se pode dizer que está tudo errado. Contra o Sport, tivemos um dia ruim, como o Grêmio e o Cruzeiro também vão ter. Só não podemos estender esse dia ruim, precisamos de uma reação rápido”, cobrou o gerente de futebol.


Leia mais sobre: Palmeiras Campeonato Brasileiro Mercado da bola

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo