iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

02/09 - 20:09

Perto de virar estátua, Marcos sonha chegar aos 500 jogos
Com 396 jogos disputados pela equipe, o jogador já não tem tanta certeza de sua aposentadoria em dezembro de 2009

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Ao ser condecorado cidadão paulistano nessa segunda-feira, Marcos se emocionou. O goleiro, nascido em Oriente (SP), não poupou agradecimentos ao Palmeiras na Câmara Municipal e prometeu fazer ainda mais história no clube onde é idolatrado. Com 396 jogos disputados pela equipe, o jogador mais querido pela torcida no atual elenco já não tem tanta certeza para garantir sua aposentadoria em dezembro de 2009.

“Não estou pensando nisso (aposentadoria). Se eu continuar do jeito que estou, quem sabe não posso ficar mais um tempinho e chegar aos 500 jogos!?”, estimou o camisa 12, de 35 anos. O arqueiro tem contrato até o final do ano que vem. Mas, titular e com uma boa seqüência de jogos em 2008, admite renovar por mais tempo.

“Tem uns amigos meus que falam: 'você vai ser campeão Brasileiro, da Libertadores e do Mundial. Daí dá para parar'. Eu falo que assim é fácil demais, né!”, sorriu Marcão, um dos mais entusiasmados na comemoração do título paulista em maio.

Campeão da Libertadores em 1999 e com atuações no Verdão que o levaram à titularidade no pentacampeonato da seleção brasileira em 2002, o goleiro, que nunca defendeu outra camisa, faz juras de amor à equipe do Palestra Itália. Admite, no entanto, não ter compreensão do que simboliza para a torcida.

“Não tenho palavras para descrever o quanto gosto do Palmeiras. O carinho que eu recebo no dia-a-dia às vezes passa batido, pois não tenho essa dimensão do que é ser ídolo. Sou uma pessoa simples, e talvez o dia que eu parar de jogar vou saber o quanto represento”, comentou.

Junto com a percepção de sua importância, ganhará uma estátua de bronze a ser colocada no Parque Antártica ao lado dos três bustos já existentes, de Ademir da Guia, Waldemar Fiúme e Junqueira. A inauguração da peça ocorrerá quando o jogador dar adeus ao futebol. Mas o arqueiro prefere nem raciocinar sobre a homenagem.

“Não estou pensando nisso, pois é algo grandioso demais. O Palmeiras já me deu tanta coisa que não me deve mais nada. Se tem alguém que deve alguma coisa ao clube e aos torcedores, sou eu, por todo o reconhecimento e o respeito que eu conquistei como homem e profissional”, encerrou Marcão.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo