iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

01/09 - 11:42

Sérgio Correa valida gol de Alan Bahia e culpa juiz por confusão
Presidente da comissão de arbitragem da CBF informou que paradinhas são permitidas sim

Gazeta Esportiva

CURITIBA - Mesmo depois de quebrar o tabu de nunca ter batido o Atlético-PR na Arena da Baixada, o Palmeiras deixou Curitiba na bronca da arbitragem neste domingo. Isto porque o único gol dos donos da casa foi marcado em penalidade convertida por Alan Bahia com direito a paradinha.

Na semana passada, no clássico contra a Portuguesa, o atacante Alex Mineiro mudou o estilo depois de o árbitro Cleber Wellington Abade ameaçar voltar a cobrança caso o artilheiro do Verdão usasse o recurso.

Criticado pelo técnico Wanderley Luxemburgo, que cobrou um esclarecimento, o presidente da comissão de arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa, endossou a cobrança de Alan Bahia e culpou Abade por toda a confusão envolvendo a paradinha. “Esse ato é permitido, assim como o goleiro dar um passo para impulso. Lamentavelmente um erro de um árbitro experiente criou uma polêmica onde não há polêmica”, criticou o dirigente, em entrevista ao canal de TV por assinatura Sportv.

Por ter interferido na cobrança de Alex Mineiro, aliás, o árbitro foi suspenso pela Comissão de Arbitragem. “Não cabe ao árbitro informar o jogador sobre regra no momento da partida, foi um procedimento inadequado. Conversei com o Abade, ele disse que não falou com o Alex Mineiro, mas alguém próximo escutou que se o jogador exagerasse na paradinha ele iria mandar voltar. Ele ficou fora do sorteio desta rodada e voltará em breve”, explicou Sérgio Corrêa.

Para colocar um ponto final na discussão, o presidente da Comissão de Arbitragem fez apenas uma limitação aos cobradores em relação às penalidades. “O jogador só não pode passar o pé por cima da bola na hora de bater o pênalti, como determina a regra, que é clara. Isso configura o excesso”, concluiu.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo