iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

29/08 - 22:39

Oposição perde na Justiça, mas promete deixar Arena sub júdice

Palmeirenses contrários à construção do novo estádio entraram com liminares na Justiça para anular a Assembléia Geral

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Contrários à maneira com que foi negociada a Arena Palestra Itália pela situação palmeirense, dez sócios e um conselheiro entraram com liminares na Justiça para anular a Assembléia Geral dos associados deste sábado que definirá a aprovação das reformas no estádio. Os dois pedidos foram indeferidos, mas a oposição garante que o resultado da votação pode não ser definitivo.

Apesar de terem fracassado na véspera da votação, as duas ações tiveram destinos diferentes. A que envolve o conselheiro oposicionista Piraci de Oliveira, impetrada na 19ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foi extinta. Já a dos sócios, na 27ª Vara, não conseguiu tutela antecipada que adiaria a votação, mas a ação do mérito ainda não foi julgada. O que, segundo os contestadores, deixa a Assembléia sub júdice.

Os situacionistas, no entanto, estão tranqüilos para o resultado. “Estamos otimistas de que a Assembléia vai acontecer normalmente”, afirmou o vice-presidente de futebol Gilberto Cipullo, que acompanhou os trâmites jurídicos de perto durante todo o dia e se surpreendeu com a tentativa da ala contrária ao presidente Affonso Della Monica.

“A primeira ação foi dos sócios, não teve efeito político, mas a do Piraci foi estranha. Ele participou dos debates, não esperávamos que fosse entrar na Justiça. Definimos como uma atitude anti-Palmeiras”, classificou o dirigente.

As duas ações apontavam irregularidades na convocação feita pelo presidente do Conselho Deliberativo, Seraphim Del Grande. A partir das 10h deste sábado, os associados terão de responder a duas questões para saberem se aceitam os moldes propostos para a Arena. Na primeira, há uma mudança no estatuto para que seja aprovada a cessão dos direitos, enquanto a segunda é sobre a parceria com a W Torre, empresa de engenharia. De acordo com os contestadores, o estatuto permite que somente uma seja votada a cada Assembléia.

“Qualquer convocação da Assembléia Geral para uma mudança de estatuto tem que ser especificamente para um tema único”, argumentou à GE.Net o provável candidato da oposição nas eleições de janeiro, Roberto Frizzo.

Os conselheiros contestadores garantem que nem os sócios nem Piraci atuaram a mando das lideranças da ala, mas apoiaram as atitudes. “Os sócios não entram nem no mérito da Arena, até porque eles não são contra a Arena em si. A convocação teve erros de direito, e a proposta deles era por uma correção de rota para não confrontar com o estatuto”, contou Frizzo.

Apesar das tentativas de adiamento, a votação acontecerá entre as 10 e as 19h no clube. Os situacionistas asseguram vitória tranqüila, estimada em 70%. Os opositores garantem que comparecerão em peso e confiam que, ao menos, a parceira será contestada pela maioria para que haja mais debates sobre o negócio. De qualquer maneira, prometem: o assunto não estará decidido neste sábado.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo