iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

26/08 - 19:41

Palmeirenses exaltam personalidade para superar pichações

“Aqui nós temos jogadores de personalidade, somos homens. Não jogamos fora de casa para perder", diz Diego Souza

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Em quatro dias, o Palmeiras conseguiu mudar sua imagem perante à torcida. Depois de o Palestra Itália amanhecer na quinta-feira com pichações criticando a má campanha da equipe fora de casa e protestando especificamente contra Diego Souza, Jéci e Gladstone, o elenco se reabilitou ao bater a Portuguesa por 4 a 2 no domingo. E os jogadores destacam o caráter do plantel como segredo para o novo panorama.

“Aqui nós temos jogadores de personalidade, somos homens. Não jogamos fora de casa para perder. Corremos o tempo todo em busca da vitória. Mas não tem dado certo”, justificou Diego Souza sobre a conquista de apenas nove dos 33 pontos disputados como visitante.

Mais do que a reação em campo, o contestado Jéci comemora a sua postura de “dar a cara para bater” ao manter a serenidade para comentar as pichações no dia seguinte à goleada por 4 a 1 sofrida diante do Internacional, no Beira-Rio.

“A gente tem que falar não só na hora boa. Aparecer quando recebe elogio é fácil, mas temos que ter essa consciência de falar toda hora, nas situações boas ou críticas. Estamos aqui preparados para a pressão”, ensinou o defensor, otimista com a superação das críticas. “O grupo se fortaleceu com o que aconteceu, mostramos que temos força e tenho certeza de que vamos estar nessa briga pelo título”.

A tranqüilidade no clube depois da vitória sobre a Lusa é tanta que há até uma compreensão em relação à reação da torcida depois da derrota em Porto Alegre. “A cobrança sempre existe. Aqueles protestos foram pela situação que o Palmeiras estava, poderia ter se aproximado mais do Grêmio. A torcida ficou chateada”, comentou Diego Souza.

Um dos mais “perseguidos” pelas arquibancadas, no entanto, prefere não definir os pichadores como representantes da opinião unânime nas arquibancadas. “Tenho minhas dúvidas se quem fez aquilo foi a torcida do Palmeiras. No domingo, a torcida esteve do nosso lado, nos apoiou o tempo todo”, questionou Jéci.

“E também não vi motivo para aquela revolta. O Palmeiras estava em uma boa condição na tabela, era o quarto colocado com perspectivas de chegar à vice-liderança, que foi o que aconteceu”, continuou.

Seja quais forem os protestantes, o zagueiro aproveita o aniversário de 94 anos do Verdão nesta terça-feira para prometer não só o título brasileiro, mas o fim dos problemas na bola parada. “A gente conversa para corrigir, falamos para nos acertar. E vamos ter essa semana toda para isso e dar esse presente para a torcida”, finalizou o camisa 16.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo