iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

25/08 - 17:54

Semana livre é a chave para Palmeiras corrigir bola aérea

Na vitória por 4 a 2 sobre a Lusa, os dois gols do time rubro-verde foram feitos de cabeça; zagueiros são criticados 

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - O Palmeiras manteve a escrita dos últimos e voltou a sofrer com as jogadas aéreas na partida contra a Portuguesa, neste domingo. Na vitória por 4 a 2, os dois gols do time rubro-verde foram feitos por Jonas, de cabeça e, para enfim corrigir essa deficiência, o elenco aposta na semana livre para treinar.

“Um time que quer ser campeão não pode errar tanto assim. E eu não estou falando de zagueiros ou de laterais. Todo mundo errou. A marcação começa na frente e muitas vezes a gente acaba tomando gols porque errou no ataque. Precisamos melhorar o nosso aproveitamento e trabalhar as bolas paradas. Vamos tentar aproveitar essa semana sem jogos para isso”, disparou o atacante Kleber.

Os tentos sofridos no domingo elevaram para 12 o número de vezes que o goleiro Marcos acabou vazado em jogadas de bola aérea neste Campeonato Brasileiro. A média é de 1,8 gols sofridos pelo alto a cada jogo, totalizando 44% dos 27 gols tomados. As estatísticas, no entanto, não surgem por falta de treino, segundo Alex Mineiro.

“Nós temos tomado muitos gols em lances de bolas aéreas, mas todo mundo pode ver que não falta treinamento. Trabalhamos muito esse tipo de jogada, mas acho que o problema é a atenção do pessoal mesmo. Precisamos encostar mais para isso não voltar a acontecer”, disse o jogador, que tem como característica forte a cabeçada.

Um dos mais criticados por conta do problema são os zagueiros Gladstone e Jéci. Este último, aliás, viu pichado no muro do Palestra Itália mensagens pedindo a sua saída, após a derrota por 4 a 1 para o Internacional, na qual o zagueiro Índio marcou duas vezes de cabeça.

”Nós temos jogadores de qualidade e o posicionamento sempre é muito trabalhado. Temos treinado demais para consertar esses erros, mas eles têm acontecido. É claro que não estamos satisfeitos, mas é muito complicado e não temos conseguido reagir”, afirmou Gladstone, que tentará corrigir o problema na próxima partida do alviverde, no domingo, contra o Atlético-PR, pelo Campeonato Brasileiro.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo