iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

22/08 - 21:21

Técnico rechaça pichações: “Os muros não escalam o Palmeiras”

"Imagina se a cada hora que picharem o nome de um jogador vou tirá-lo da equipe. Aí o Palmeiras tem que ser escaldo pelo muro", disse

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Os palmeirenses garantem que os protestos nos muros do Palestra Itália após a goleada para o Internacional não incomodaram. Mesmo com as saídas solicitadas pelos pichadores, Jéci e Gladstone seguem na equipe para enfrentar a Portuguesa no domingo. E, segundo Vanderlei Luxemburgo, não será a pressão externa que mudará a situação.

“Aposto em treinamento, trabalho. Imagina se a cada hora que picharem o nome de um jogador vou tirá-lo da equipe. Aí o Palmeiras tem que ser escaldo pelo muro. Escalo o time com base no equilíbrio, não na pressão. E quem não estiver preparado para essa pressão, vai jogar em outro lugar”, avisou o treinador, minimizando a importância das contestações a seus jogadores.

“Isso não me preocupa. Com a minha experiência, sei que se a pressão de picharem os muros desse certo, times de massa como Corinthians, Palmeiras, Botafogo e Grêmio nunca iriam para a segunda divisão”, relembrou.

Fora do foco das pichações, Luxemburgo mantém a tranqüilidade sobre o assunto e alerta: as torcidas organizadas podem ser inocentes no caso. “Será que é a organizada mesmo? Quando fazem isso, elas colocam os nomes delas. E eu ouvi que a torcida prometeu estar ao nosso lado no domingo. Estão dando muito espaço sem saber se a origem é a torcida, motivação política, um palmeirense desbaratinado ou alguém mandou fazer isso”, enumerou.

“Isso é uma coisa muito banal para se dar tanta ênfase. Não sei nem se foi a torcida do Palmeiras que pichou. De repente, sou um palmeirense, vou sozinho ou com uns dois ou três loucos, picho os muros, ligo para a imprensa e falo que foi a torcida”, exemplificou o treinador.

Procurando mostrar serenidade com os protestos, o elenco reforça os pedidos por apoio das arquibancadas já neste domingo, no Pacaembu. “Não vejo motivo para desespero, pois estamos bem colocados e com condições de brigar. Claro que, à medida que o tempo vai passando, o número de rodadas vai diminuindo e a gente precisa tirar a diferença para o Grêmio. Mas temos um grupo de pessoas comprometidas e daqui para frente será diferente”, assegurou Marcos, acompanhado pelo artilheiro Alex Mineiro.

“Nenhum torcedor gosta de ver o time perder, mas quando existe um grupo de jogadores sérios, é preciso respeito e confiança. Já provamos no Campeonato Paulista que estamos totalmente comprometidos e, neste Brasileiro, nossa campanha é boa. O torcedor é inteligente e vai nos apoiar até o final. Vamos crescer com tudo isso”, finalizou o camisa 9, um dos mais queridos pela torcida ao lado de Marcos.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo