iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

16/08 - 21:59

Espinosa explica alterações e diz que “futebol não é maluquice”

“Saímos com uma formação e depois mudamos durante o jogo, e as duas me agradaram,  mostrando a qualidade do time"

Gazeta Esportiva

FLORIANÓPOLIS - Neste sábado, o técnico Valdir Espinosa não primou pela ousadia na escalação da Portuguesa e nas alterações promovidas durante a derrota para o Figueirense por 2 a 1, em Florianópolis. Depois de colocar em campo duas formações distintas, mesmo com a derrota, o comandante mostrou confiança e se explicou: futebol não é maluquice.

“Nós saímos com uma formação e depois mudamos durante o jogo, e as duas me agradaram. Isso mostrou que a equipe tem qualidade. O resultado entristece, mas, para quem gosta de futebol, viu um time se portando bem dos dois jeitos hoje”, analisou o comandante.

Sem o meia Preto, cortado com lesão no púbis, Espinosa optou por uma formação mais defensiva para a partida fora de casa e escalou um terceiro volante – Carlos Alberto. Durante o jogo, Dias saiu para a entrada do atacante Washington, além da troca de laterais-direitos: Patrício por Wilton Goiano.

“No lugar do Patrício tinha que entrar um jogador descansado, para dar mais velocidade porque ali havia um corredor a ser explorado, com o Jonas, Fellype Gabriel ou quem estivesse por ali para criar situações”, disse Espinosa, que ainda explicou porque se negou a colocar mais um atacante enquanto perdia por 1 a 0.

“Naquela hora, se entra mais um jogador de frente ia virar correria, chutão para frente e bola cruzada na área. Futebol não é sorte, ela ajuda, mas não podemos depender de dar sorte em uma bola jogada para dentro da área”, explicou o comandante, antes de cravar: “Futebol não é maluquice, é fazer a coisa certa”.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo