iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

09/08 - 20:42

Após vitória, são-paulinos reclamam de arbitragem

“Se foi impedimento, ele (assistente) tem de levantar a bandeira. Se não foi, deixe-a abaixada", disse Rogério Ceni

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - A arbitragem de Francisco de Assis Almeida Filho na vitória do São Paulo por 2 a 1 sobre o Goiás foi bastante contestada pelos jogadores do Tricolor. Os atletas não se conformaram com o pênalti anotado em cima de Iarley e também reclamaram do gol anulado de Dagoberto.

“Se foi impedimento, ele (assistente) tem de levantar a bandeira. Se não foi, deixe-a abaixada. O que não pode é espera o árbitro dar o gol e depois chamá-lo para conversar. Quero saber como ele descobriu impedimento depois de 30 segundos. O juiz dá o gol, e o assistente lembra que foi impedimento depois...”, reclamou o capitão Rogério Ceni.

O lance citado por Rogério foi o mais polêmico do jogo. No início do segundo tempo, Hugo chutou de fora da área, a bola passou por André Lima e Harlei espalmou. Dagoberto, então, pegou o rebote e mandou para as redes. O árbitro apontou para o meio-campo, mas o assistente Erich Bandeira o chamou para avisar sobre um eventual impedimento de André Lima no lance. Desta forma, o árbitro mudou de idéia e anulou o gol, gerando muita reclamação por parte dos são-paulinos.

“Foi muito demorado. Se tem que dar, marca logo na hora”, protestou Dagoberto, que chegou a comemorar o gol anulado. Aliás, os jogadores do São Paulo também reclamaram do pênalti que o árbitro marcou de Rodrigo sobre Iarley no primeiro tempo.

“Ele se jogou. É incrível, nunca vi tanto pênalti, deram dois no Maracanã e mais um aqui, em plena casa nossa. Se isso for pênalti, todo lance vai ser pênalti. Ele chutou o pé do nosso jogador”, reclamou Ceni.

No pênalti contestado, Iarley marcou o gol do Goiás. O zagueiro Rodrigo, porém, garante que não cometeu a infração no lance. “Na minha opinião, não foi pênalti. Eu vi que ele ia desabar e tirei o pé, nem relei nele”, explicou.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo