iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

02/08 - 06:21

À espera da vaga, Bruno quer mais 15 títulos do instrutor Marcos

Goleiro reserva do Palmeiras é tido como um jovem com potencial para ser tão talentoso quanto Santo do Palestra Itália

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - No final do duelo contra o Grêmio, Marcos deixou muitos palmeirenses apreensivos ao cair no chão, com dores após lance similar ao que gerou a lesão responsável pelo desfalque do ídolo em quase toda a temporada de 2007. Ao sair de campo, contudo, o camisa 12 tranqüilizou a todos. E um dos que mais respiraram aliviados, curiosamente, foi seu reserva Bruno.

Promovido a segundo goleiro do time com a venda de Diego Cavalieri ao Liverpool, Bruno tem o sonho de trilhar no Palestra Itália o mesmo caminho do atual titular de Wanderley Luxemburgo. Mas não tem pressa na busca de seu primeiro jogo profissional. E muito menos quer entrar se aproveitando de azar do seu ídolo.

“Os goleiros no Palmeiras sempre tiveram chances com a lesão do titular, mas espero que isso não aconteça comigo. Fico esperando a minha oportunidade por quanto tempo for preciso. Quero ver o Marcão jogar ainda por três, quatro anos, ser campeão com ele, ver ele conquistar mais uns 15 títulos. E eu fico esperando a minha hora sem problemas”, comentou o goleiro em conversa com a Gazeta Press.

Com discurso de “palmeirense desde a infância”, Bruno há anos fez os olhos do ex-preparador de goleiros Carlos Pracidelli brilharem. O atual componente da comissão técnica de Luiz Felipe Scolari no Chelsea sempre viu no atual camisa 45 potencial para se igualar a Marcos. Com esta comparação, não seria um desperdício ficar na reserva aos 24 anos de idade, sem sequer ter estreado na equipe principal?

“Sempre me perguntam se eu não quero ser emprestado, para ganhar experiência, e eu falo que experiência eu ganho treinando com o Marcos, como também já treinei com o Sérgio. Ganho minha experiência no dia-dia com eles”, argumentou Bruno, sem esconder sua idolatria também pelo atual goleiro da Portuguesa.

“Sempre usei o Marcos e o Sérgio como meus instrutores. Eles sempre falaram que, se eu sair de um clube grande como é o Palmeiras, para voltar vai ser difícil. E no Palmeiras eu também tenho a oportunidade de jogar no time B”, continuou o reserva de Marcos, que tem no elenco uma mostra de que ser emprestado pode ser prejuízo: o terceiro goleiro Deola, de 25 anos, que rodou o interior paulista até voltar à Academia neste ano.

Irredutível na decisão de permanecer no elenco que foi campeão paulista, Bruno sabe que, quando entrar em campo, já sofrerá cobranças para mostrar que a tradição alviverde de formar bons goleiros continua. Peso que não assusta o jogador.

“Tenho que saber da minha responsabilidade e manter uma escola de goleiros que já teve Oberdan Cattani, Valdir de Morais, Leão, Velloso, Marcos, Sérgio e o Diego. Não é fácil, mas sou preparado desde quando era pequeno para isso”, garantiu, mantendo a sinceridade para dizer que sua idade não lhe traz vantagens. “Estou com 24 anos, mas idade hoje em dia já não importa mais. Desde pequeno você já se prepara para a chance de ser titular no profissional”.

As palavras do camisa 45 se assemelham a de Diego Cavalieri há quatro anos, quando o hoje arqueiro do Liverpool tinha suas primeiras oportunidades no profissional. Assim como o ex-companheiro, Bruno admite a possibilidade de que um sucesso no Verdão também o leve para o exterior. Isso, no entanto, ainda não passa pela sua cabeça.

“Não descarto ir para a Europa, mas o meu plano é jogar, conquistar muito títulos e me tornar um ídolo aqui no Palmeiras”, projetou. “Estou esperando a minha oportunidade chegar. Quando precisar, estou pronto”, concluiu o goleiro que, teoricamente, deve se tornar titular em 2010, já que o contrato de Marcos com o Palmeiras se encerra em dezembro de 2009 – data que o pentacampeão costuma definir como a do início de sua aposentadoria.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo