iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

31/07 - 19:10

Diretoria vê caso Valdívia controlado, mas não descarta punição

“Não se faz um time campeão com tratamento diferenciado a alguns jogadores", afirmou Toninho Cecílio

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Menos de 24 horas depois de Vanderlei Luxemburgo ter demonstrado profunda irritação com a opção de Valdívia de ir diretamente para os vestiários após ser substituído contra o Flamengo, a diretoria já vê o entrevero perto de solução. Reforçando a posição de colocar “panos quentes” no caso, o gerente de futebol do Palmeiras Toninho Cecílio minimizou as conseqüências, mas mantém a responsabilidade de punição nas mãos do técnico.

“A diretoria entendeu que não foi correta a atitude do jogador, mas compreendemos. Isso acontece. Ele já se desculpou e acreditamos que, no momento, essa situação já está controlada”, comentou o dirigente. “O que aconteceu foi uma coisa somente entre treinador e jogador. Temos confiança no Vanderlei e ele vai proceder como achar melhor. Sempre respeitamos o Valdívia, temos com ele uma relação de confiança. Ele só teve uma opção que o Vanderlei não gostou”.

Se o camisa 10 conta com a confiança de seus superiores, Luxa goza de prestígio ainda maior. Para explicar a posição da cúpula alviverde no problema causado pelo atleta mais valorizado do elenco, Toninho não cansou de utilizar sinônimos para transparecer a satisfação que o clube tem com o treinador campeão paulista em 2008.

“Na dúvida, optamos sempre pelo comandante, seja qual for o treinador. E o Vanderlei foi contratado porque acreditamos que sua linha de trabalho e o seu comando do grupo é o ideal para o futebol. Ele tem total e irrestrito apoio da diretoria. Estamos plenamente satisfeitos com o trabalho do Vanderlei, ele tem conosco uma confiança inabalável”, afirmou.

Com tamanho poder de decisão nos rumos de seus comandados, o técnico pode até optar por afastar o chileno. “Se ele achar o melhor para não prejudicar o grupo, aceitaremos, mas em nenhum momento ele comentou com a gente sobre afastar o Valdívia”, antecipou-se o gerente. “Foi um incidente e não será o último. Em todos eles, vamos trabalhar para que o grupo não seja prejudicado, não perca uma unidade em busca dos nossos objetivos e que o ambiente de trabalho seja sempre profissional”.

Garantindo que o Verdão está mais de olho em levantar seu quinto Brasileiro do que em lucros, uma possível desvalorização de Valdívia com o comportamento de quarta-feira não é nem relevado. “O nosso primeiro objetivo é sempre deixar o Palmeiras competitivo para lutar pelo título. Em segundo plano, vem o comando do treinador. Negociações só entram em um terceiro ou quarto plano. E uma possível negociação viria também pelo que o Valdívia faz na sua carreira”, enalteceu, emendando que, no Palmeiras, “todos são iguais”.

“Não se faz um time campeão com tratamento diferenciado a alguns jogadores. Isso é um princípio básico para um bom trabalho de uma diretoria de futebol”, ensinou Toninho. “Sempre que acontece um incidente desse tipo com um jogador com mais destaque, como é o Valdívia, a repercussão é diferente. Mas não acho que houve exagero do Vanderlei. Ele deixou clara uma posição que concordamos”, reforçou o cartola.


Leia mais sobre: Valdívia Palmeiras

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo