iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

29/07 - 15:32

Presidente do Marcílio não teme punição e vai processar Rafinha

"Quem assistir aos 90 minutos verá que não houve qualquer tipo de armação", disse o presidente do clube

Gazeta Esportiva

MARCÍLIO DIAS - A celeuma causada pelas declarações do jogador Rafinha, do Toledo, sobre um possível acerto com os jogadores do Marcílio Dias para que a partida do último domingo terminasse empatada, resultado que levaria ambos os times à segunda fase da Série C, não tirou o sono dos cartolas do clube catarinense.

Contatado pela reportagem da GE.Net, o presidente do Marcílio Dias, Marlon Bendini, não se mostrou preocupado com a possibilidade de seu clube sofrer qualquer tipo de punição e, de quebra, ameaçou processar o jogador da equipe paranaense.

Para Bendini, a maior prova de que o resultado não foi armado entre os clubes está na própria fita do jogo. “Quem assistir aos 90 minutos verá que não houve qualquer tipo de armação. Nos dez minutos finais as equipes desaceleraram, até porque o outro jogo (Inter-SM x Engenheiro Beltrão) estava empatada também. Apenas usamos o regulamento”, argumentou.

“Teve jogador com a cabeça rachada, bola na trave dos dois lados, inúmeras defesas dos goleiros e até um pênalti que o juiz não deu para a gente. Foi tudo combinado também com o juiz?”, indagou, inconformado.

Bendini mostrou-se indignado com a atitude de Rafinha e avisou que irá cobrar explicações na esfera jurídica. “Não sei o que o Rafinha pensou ao falar uma coisa dessas, mas vamos acioná-lo na Justiça e ele terá que provar tudo. Meus jogadores ficaram inconformados e queriam ir até lá tirar satisfações, de tão absurda que foi essa declaração”, revelou.

O dirigente afirmou que não foi contatado por ninguém do STJD e que não acredita que o caso seja levado adiante pelo órgão. “Conversamos com o pessoal da Federação (Catarinense) e eles disseram que não receberam nenhum comunicado desabonando a nossa conduta. Estamos tranqüilos”, finalizou.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo