iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

25/07 - 19:19

Figueirense tenta esquecer goleada e prega a tranqüilidade
Técnico acredita que o time não pode dar tanta importância assim para o vexame

Gazeta Esportiva

FLORIANÓPOLIS - Após o “chocolate” de 7 a 1 para o Grêmio, o Figueirense tenta esquecer o revés em casa e se concentrar na seqüência do campeonato. Depois da partida, jogadores e comissão técnica evitaram apontar culpados para a humilhante derrota, afastaram a possibilidade de crise, e acreditam na continuação dos bons resultados da equipe.

“Não tivemos tranqüilidade, o time estava ansioso e a bola queimava nos pés. Ganhamos juntos e perdemos juntos. Agora é levantar a cabeça, temos um jogo no domingo (contra o Atlético-PR, em Curitiba) e temos que ter a equipe forte de novo”, analisou PC Gusmão.

Mesmo diante de um placar tão adverso, PC acredita que o time não pode dar tanta importância assim para o vexame. “O campeonato é assim: não existe tempo para ficar lamentando. Tem que estar com vergonha pelo resultado, mas não acabou o campeonato. Só nós podemos dar seqüência e retomar as vitórias”, afirmou o treinador.

O artilheiro e capitão do Figueirense, Cleiton Xavier, autor do gol de honra contra o Grêmio, engrossou o coro do treinador. “Nós passamos por situações bem piores na competição e demos a volta por cima. Não vai ser esta partida que nos irá deixar derrotados. Temos que levantar a cabeça e trabalhar já pensando no próximo jogo.”, defendeu o artilheiro.

O goleiro Wilson, que havia apontado os diversos erros da defesa no fim da partida, também pregou a tranqüilidade na equipe. “Foi um dia em que nada deu certo e vamos fazer de tudo para mudar esta história no jogo de domingo. Temos que manter a tranqüilidade, cada um vai para a sua casa, vai reencontrar a família, colocar a cabecinha no travesseiro e pensar no que fez de bom e de ruim. Não temos que procurar culpados.”, tranqüilizou o arqueiro.

O Figueirense ocupa a 9ª posição da tabela, com 19 pontos.


Leia mais sobre: Figueirense

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo