iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

21/07 - 08:57

Santos vai tentar reduzir pena de Rodrigo Souto
O Santos deverá usar, como argumento de defesa, a redução da pena para apenas seis meses de suspensão

Agência Estado

SANTOS - O departamento jurídico do Santos vai começar a preparar, nesta segunda-feira, o recurso a ser apresentado ao Tribunal Arbitral de Esporte, em Lausanne, na Suíça, pedindo a redução da pena de dois anos imposta ao volante Rodrigo Souto. O jogador foi flagrado no exame antidoping do jogo entre San José e Santos, em 19 de março, em Oruro, na Bolívia.

O jogo fez parte da fase de grupos da Libertadores da América e o time brasileiro foi derrotado por 2 a 1. No dia 20 de junho, a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) suspendeu o jogador por dois anos de partidas promovidas pela entidade, após o exame da contraprova, que confirmou a presença da substância Benzoilecgnina, metabolito da cocaína.

Desde a divulgação do resultado positivo do antidoping, Rodrigo Souto só falou uma vez, após o empate por 0 a 0 entre Portuguesa e Santos, no Estádio do Canindé. "Estou com a consciência tranqüila porque sei que não fiz nada de errado. Fiquei sabendo disso através da imprensa e não procurei conhecer mais detalhes. Dois anos de suspensão sempre acontece quando um jogador é pego no doping. Agora, o que resta é sentar com o pessoal do jurídico para achar a melhor maneira de agir", ponderou o jogador.

O Santos também deverá usar, como argumento de defesa, a pena de apenas seis meses de suspensão, além de multa de US$ 5 mil, que a Conmebol impôs ao atacante Lionard Pajoy, do Cúcuta, da Colômbia, no ano passado. Ele foi pego no antidoping no jogo contra o Nacional, do Uruguai, no dia 22 de maio de 2007, pela Libertadores, e o exame apontou a presença de traços de cocaína.


Leia mais sobre: Rodrigo Souto Santos Doping

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Gazeta Press

"Consciência tranqüila"
Na única vez que falou sobre o seu doping, Rodrigo Souto alegou inocência no caso

Topo