iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

21/07 - 12:38

"Novo Juninho", Ederson chega ao Lyon e sonha com a seleção

Sem ser conhecido no Brasil, meia saiu do Nice por 14 milhões de euros (cerca de R$ 35 milhões)

Gazeta Esportiva

LYON (França) - O meia Ederson é mais um jogador brasileiro a se projetar na Europa sem sequer ser conhecido em seu país natal. Novo reforço do Lyon, que o comprou do Nice em janeiro por 14 milhões de euros (cerca de R$ 35 milhões), o atleta de 22 anos é apontado como o “sucessor de Juninho Pernambucano” pela imprensa francesa.

Divulgação
Ederson jogou pela seleção brasileira sub-17
Depois de ser revelado no RS Futebol e de acumular passagens meteóricas e sem destaque por Juventude e Internacional, o meia aceitou o desafio de partir para o futebol francês em 2005, então com apenas 19 anos. A decisão, porém, mostrou-se acertada, e o brasileiro chega ao atual heptacampeão francês já sonhando com um lugar na seleção principal.

Por ter sido campeão sub-17 com a equipe verde-amarela em 2003, Ederson descarta seguir a onda de naturalizações protagonizada por Marcos Senna, Pepe, Roger e companhia. “No Lyon poderei atingir um objetivo pessoal, que é vestir a camisa da seleção. Este é o meu maior sonho”, afirmou, em entrevista exclusiva à Gazeta Press.

Na entrevista exclusiva, o novo reforço do Lyon ainda refuta o rótulo de novo Juninho Pernambucano, embora não economize elogios ao colega, que indicou a sua contratação. Ederson ainda conta mais sobre a carreira, ainda pouco conhecida no Brasil, e revela o desejo de vencer a Liga dos Campeões logo em sua primeira temporada no clube.

Você trocou um time intermediário pelo heptacampeão francês. Qual a expectativa já para a próxima temporada?
Meus objetivos são também os objetivos do clube. Estamos trabalhando muito para realizar uma ótima temporada e ganhar títulos. Sabemos da importância de realizar um bom campeonato para estar bem nas outras competições também. Portanto, nosso objetivo é conquistar o Campeonato Francês, que seria para o Lyon o oitavo consecutivo, mas é claro que o grande objetivo é mesmo conquistar a Liga dos Campeões. Creio que realizando um bom trabalho com o Lyon, poderei também atingir um objetivo pessoal, que é vestir a camisa da seleção brasileira, que sempre foi meu sonho.   
 
Apesar de ter sido contratado pelo Lyon em janeiro, a sua apresentação só pôde acontecer agora. Foi difícil controlar a ansiedade?
Quando assinei com o Lyon era evidente minha alegria e satisfação, mas por uma questão de moral e respeito pelo Nice, a única coisa que pedi foi terminar a temporada com o Nice. Para mim, não era justo deixar o time na metade do campeonato, mesmo se tratando de ir para uma grande equipe como Lyon. Em janeiro, com o Nice, estávamos em quarto lugar no campeonato e senti que todos contavam comigo para conseguir um resultado histórico para o clube. Procurei me concentrar ao máximo para terminar bem a temporada, e a ansiedade pôde ser controlada com a possibilidade de realizar uma temporada completa com o Nice e também com a alegria de saber que na próxima temporada eu estaria em um grande time como o Lyon.
 
Está chegando num clube repleto de brasileiros. Isso facilita a adaptação ou, por estar há bastante tempo no futebol francês, acaba não fazendo muita diferença?
Fui muito bem recebido por todos, especialmente pelos brasileiros que já estavam no Lyon. Mesmo estando já há três anos e meio na França, é sempre difícil a adaptação em um novo clube, e com certeza a presença de outros brasileiros ajuda na integração e adaptação. Para mim, é um prazer vir jogar ao lado do Juninho, Cris, Fred, Fabio Santos, e poder trabalhar no dia-a-dia com o Sonny Anderson, que hoje é treinador do setor ofensivo de nossa equipe. Estou muito feliz, pois encontrei um ótimo ambiente de trabalho e isso é muito importante, pois trabalhando com entusiasmo e alegria os resultados chegam naturalmente.

Você chegou a atuar com a camisa da seleção no Mundial Sub-17 de 2003, na Finlândia. Quais as lembranças que guarda daquele torneio?
Foi uma experiência maravilhosa! Mesmo jogando em uma modesta equipe, o RS Futebol, fui convocado para a seleção brasileira sub-17. Disputamos o Sul-americano na Bolívia e nos classificamos em segundo lugar para o Mundial realizado na Finlândia. Depois nos preparamos muito bem para o Mundial. Foi uma experiência inesquecível levantar a taça de campeão do mundo, são imagens que estarão guardadas para sempre na memória. É uma satisfação e um orgulho vestir a camisa da seleção, por isso estou trabalhando muito para alcançar meu objetivo, que é de um dia vestir a camisa da seleção brasileira principal. 

Dizem que o seu francês é perfeito. Sonha voltar a defender o Brasil no futuro ou, a exemplo do que aconteceu com Marcos Senna (Espanha), Roger (Polônia), Deco (Portugal) e outros, toparia atuar pelos Bleus se houvesse o convite da federação francesa?
Ainda não pensei nessa hipótese, mas como já tive o gostinho e a satisfação de vestir a camisa da seleção brasileira sub-17 e ganhar o Mundial da categoria, espero não precisar fazer uma escolha desse tipo, pois sou brasileiro com muito orgulho e meu grande sonho é jogar pela seleção brasileira.

Voltando ao Lyon, como está sendo a pré-temporada? Muito diferente daquela que era feita no Nice?
Estamos trabalhando muito, mas no Nice também trabalhei muito, foi uma passagem importante para o meu crescimento e adaptação no futebol europeu. Cada comissão tem sua filosofia de trabalho, mas normalmente temos uma grande carga de trabalho durante a pré-temporada. Aqui no Lyon estou conhecendo um outro estilo de trabalho e aprendendo coisas novas também. Espero poder continuar progredindo e melhorando para atingir o mais alto nível. 

A Liga dos Campeões é declaradamente o grande objetivo do Lyon. O que fazer para que o clube, mais uma vez, não morra na praia?
Essa competição é muito difícil, pois enfrentamos as melhores equipes do continente europeu. Creio que cada pequeno detalhe faz a diferença, e penso que temos que ter todos uma mentalidade vencedora e um grupo muito forte e unido para conquistá-la.

O elenco do Lyon é um dos mais fortes do futebol francês e você atua na mesma posição que um dos principais jogadores do time, que é o Juninho Pernambucano. Dá para ser titular? É possível jogar junto com ele?
O Lyon possui um elenco rico em quantidade e qualidade, por isso a concorrência por uma vaga de titular é muito grande. No meu modo de ver, essa concorrência nos faz progredir e com isso a equipe cresce. Disputamos várias competições e é importante ter um bom elenco a fim de ter sempre uma equipe competitiva para buscarmos nossos objetivos. 

A imprensa e os torcedores o vêem como o sucessor do Juninho. Isso não aumenta a pressão?
O Juninho é um grande jogador, e uma grande pessoa, que admiro e respeito muito. Trata-se de um jogador muito importante para a equipe por toda sua experiência e qualidades. Penso que temos características diferentes, e caberá ao treinador decidir como poderemos jogar. De qualquer forma, esse modo de ver da imprensa não aumenta a pressão, pois não vim para o Lyon para ser o seu sucessor, e sim para continuar a progredir em minha carreira e dar o máximo de mim para a equipe.
    
Dizem que o próprio Juninho ligou para te convidar e incentivar a assinar com o Lyon. Como foi este contato?
Realmente, o Juninho foi muito gentil em me ligar para me dizer do interesse do Lyon pelo meu futebol, e também as ambições e projetos do clube. Foi importante nossa conversa, fiquei muito feliz por ele ter me ligado. Hoje tenho o sentimento de ter feito uma ótima escolha para minha carreira.
 
Você é pouco conhecido dos torcedores brasileiros por ter se transferido cedo para o Exterior. Qual foi a sua trajetória por aqui e quais as suas principais características?
O começo de minha carreira profissional foi com 16 anos no RS Futebol, do Rio Grande do Sul. Fui convocado para a seleção brasileira Sub-17, onde fui vice-campeão sul-americano e campeão mundial em 2003. No ano de 2004, fui emprestado para o Internacional de Porto Alegre, mas devido a lesões acabei perdendo meu espaço e tive que voltar ao RS Futebol. Dois meses mais tarde fui emprestado para o Juventude, onde terminei a temporada de 2004, jogando alguns jogos do Campeonato Brasileiro. No começo do ano de 2005, surgiu a oportunidade de ir para o Nice. Com apenas 19 anos, talvez era um pouco cedo para se transferir para o futebol europeu, mas eu tinha a certeza de que seria bom para meu crescimento e minha carreira e resolvi aceitar esse desafio, que por um lado talvez dificultou possíveis convocações para a seleção Brasileira Sub-20 ou Olímpica, mas por outro me faz crescer e amadurecer tanto profissionalmente como culturalmente.  

Tem acompanhado o futebol brasileiro? Torce por algum time?
Acompanho através de noticias, pela internet. Procuro saber as noticias de alguns amigos, como, por exemplo, do Thiago Silva, do Fluminense, já que jogamos três anos juntos no RS Futebol, assim como de alguns amigos da seleção Sub-17 e que hoje estão jogando no futebol brasileiro. E quando estou de férias e estou no Brasil, assisto a alguns jogos pela TV. 

De que mais sente falta do Brasil? Volta freqüentemente ao país?
Naturalmente sinto muita falta de minha família e dos amigos. Às vezes sinto falta também da comida brasileira, assim como da alegria do povo brasileiro. Sempre que posso, nas férias, vou para o Brasil visitar minha família, meus amigos para matar as saudades de tudo e de todos.


Leia mais sobre: Ederson Juninho Pernambucano Lyon

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo