iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

14/07 - 19:13

Timão relaciona indisciplina do ataque à boa fase defensiva
"O ponto positivo da nossa defesa é o fato de o ataque ajudar muito na marcação", disse William

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Ser a defesa menos vazada da Série B do Campeonato Brasileiro (com os mesmos 8 gols sofridos do Juventude) custou uma série de advertências aos atacantes do Corinthians. Nos dois últimos jogos, os atacantes Acosta e Dentinho foram expulsos e Herrera, suspenso.

“O ponto positivo da nossa defesa é o fato de o ataque ajudar muito na marcação. Em determinado momento, eles extrapolam um pouco no afã de auxiliar, como aconteceu com o Acosta e o Dentinho”, relacionou o zagueiro William. “É assim mesmo. A marcação começa lá na frente”, concordou o meia Elias.

Apesar de reconhecerem que Acosta e Dentinho cometeram faltas mais duras contra Marília e Santo André, os corintianos não deixaram de reclamar da arbitragem. Não são apenas não marcados na rodada passada que os incomodam.

“Os árbitros precisam ver que a nossa equipe é uma das menos faltosas do campeonato. Claro que determinadas jogadas merecem ser punidas com cartão, mas é bom comparar também o total de faltas que o Corinthians cometeu com o retrospecto dos adversários”, recomendou William. Para Elias, a arbitragens têm pré-disposição de prejudicar seu time por influência da imprensa. “Eles não podem se deixar levar.”

Dentinho não será o único desfalque por infração neste sábado, contra o Bahia, no Pacaembu – após cumprir suspensão, Acosta deverá substituí-lo. O zagueiro Chicão recebeu o terceiro cartão amarelo na Série B contra o Santo André. “Se o Mano colocar o Fábio Ferreira, não mudará muita coisa. Ele tem qualidade e foi bem em todas as oportunidades que recebeu”, confiou William.

O técnico Mano Menezes não se preocupará apenas com as mudanças na escalação do Corinthians nesta semana. Como conta William, ele repetirá o sermão que deu em Acosta a Dentinho. Já a defesa, por enquanto, recebe mais elogios do que críticas.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo