iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

11/07 - 09:45

Djibuti: Pobreza econômica e futebolística
Embora se localize em posição estratégica, país africano sofre com falta de recursos e se acostumou a tomar goleadas

Trivela.com

SÃO PAULO - Um pouco maior que o estado de Sergipe, Djibuti fica numa posição extremamente importante no leste da África. Está localizado no chamado “Chifre”, que é a região do continente onde o Mar Vermelho e o Oceano Índico se encontram.

Essa estratégica posição rende bons dividendos ao país, pois o porto da capital, que também se chama Djibuti, é um importante entreposto comercial e serve de apoio para muitas embarcações provenientes da Ásia com destino ao Canal de Suez.

O país inteiro é muito quente e árido. Para se ter uma idéia, dos quase 23 mil quilômetros quadrados do país apenas 20 são compostos por rios ou lagos. Com tão pouca quantidade de água, fica fácil compreender o porquê de o país figurar como um dos mais pobres do mundo e sempre necessitar de ajuda humanitária por parte dos países mais desenvolvidos e da Organização das Nações Unidas.

Do pioneirismo islâmico às guerras civis

As origens de Djibuti datam do século X a.C. Os dois principais povos da região, os nômades afar e o somali, dividiam o comércio de peles e especiarias com os egípcios, persas e indianos. No século IX d.C, esses dois povos foram os primeiros africanos a conhecer e a se converter ao islamismo.

Depois de algum tempo em total isolamento, Djibuti foi descoberta pelos franceses, que foram os primeiros europeus a fazer contato com os povos da região. À época, a construção do Canal de Suez estava no final e a França estabeleceu um tratado de paz com os afar e os somalis, constituindo assim o protetorado da Somália Francesa.

Em torno do porto construído pelos franceses na costa oeste, a cidade de Djibuti foi inaugurada e converteu-se na principal cidade do protetorado. Não à toa, a seleção de futebol de Djibuti é conhecida como “Os ribeirinhos do Mar Vermelho”.

No decorrer do século 20, um grupo étnico chamado issa, do ramo dos somalis, passou a se rebelar contra os franceses. Pregava a dominação total da região do “Chifre da África” pelos nativos e era totalmente contrário à presença européia na região. Por outro lado, os afar continuavam ao lado dos franceses.

A inimizade entre esses dois povos cresceu e deu origem a violentos desentendimentos internos que foram resolvidos em parte quando Djibuti declarou a independência da França em 1977.

Mesmo após a declaração da independência, os dois povos continuaram com problemas entre si. Tudo por causa do presidente eleito, de etnia issa, que não agradou a maioria da população do país, que é afar.

Desde 1988 Djibuti já enfrentou duas guerras civis, o que agravou ainda mais as condições de vida da população, gerando mais fome e pobreza. Em junho último ocorreu uma invasão não autorizada de soldados da Eritréia a uma parte do território de Djibuti, o que pode desencadear outra crise interna no país.

Longas interrupções e futebol abaixo da média

Devido à grande influência dos franceses e dos soldados da Legião Estrangeira, cuja sede africana fica em Djibuti, o futebol é o esporte mais popular da ilha. No entanto, assim como a situação econômica, o futebol no país também é pobre. São apenas oito clubes profissionais filiados à Federação, que disputam a Liga e a Copa de Djibuti. Não há rebaixamento e todos os jogos são disputados no “Stade du Ville”, reformado pela FIFA e que conta com grama artificial, devido à escassez de água para a manutenção da grama natural.

Apesar de ter declarado sua independência há apenas 31 anos, há registros que atestam que Djibuti teve uma seleção formada pela primeira vez em 1947, quando perdeu da Etiópia por 5 a 0. Fundada em 1979, a federação djibutiana de futebol somente organizou sua seleção cinco anos depois e tomou outra goleada da Etiópia: 8 a 1. E foi preciso mais cinco anos para que a primeira vitória de Djibuti viesse com um 4 a 1 num amistoso disputado contra a seleção do Iêmen.

Interessante notar que, um ano antes da primeira vitória do selecionado, o Campeonato Djibutiano havia sido iniciado de forma oficial. O sistema de disputa consistiu em turno e returno com quatro participantes. O primeiro vencedor foi o Etablissements Merill, de Djibuti.

Um ano depois, a guerra civil impediu que o campeonato prosseguisse e que a seleção entrasse em campo e participasse de qualquer manifestação futebolística. Durante cinco anos a seleção nacional não jogou e foi preciso esperar até o ano 2000 para que a população de Djibuti pudesse ver o jogo da seleção no país. Porém a espera valeu a pena: a seleção nacional entrava em campo contra a República Democrática do Congo, pelas Eliminatórias da Copa de 2002, as primeiras disputadas por Djibuti na história. E conseguiu um excelente resultado, empatando em 1 a 1. No jogo de volta porém Djibuti foi eliminada da disputa da vaga na Copa perdendo por humilhantes 9 a 1. Nos anos seguintes, sempre jogando fora do país devido aos conflitos internos, a seleção djibutiana sofreu mais goleadas: 7 a 0 e 10 a 1 para Uganda e 6 a 0 para a Etiópia.

Sete anos depois de jogar pela última vez no país, Djibuti obteve seu resultado mais expressivo no cenário internacional. Pela fase preliminar das Eliminatórias da Copa de 2010, Djibuti ganhou por 1 a 0 da Somália e passou para a próxima fase da competição. Esse resultado foi a primeira vitória em um jogo oficial na história do país, fato que converteu o atacante Yassin Hussein, do CDE (Compagnie Djibouti-Ethiopie), em herói nacional.

No âmbito doméstico, o campeonato djibutiano aumentou o número de clubes participantes de quatro para dez, sempre mantendo o mesmo sistema de disputa. O CDE, apesar de ser o clube mais popular por ter nascido dos trabalhadores da ferrovia que liga o Djibuti à Etiópia, perde em número de títulos para o Force Nationale de Police, que conta com a simpatia do governo do país.

O resultado positivo contra a Somália, no entanto, não contribuiu para afastar de Djibuti a fama de saco-de-pancadas: depois da vitória histórica, a seleção perdeu de Uganda por 7 a 0, de Ruanda por 9 a 0, do Malawi por 8 a 1 e da República Democrática do Congo por 6 a 0, sendo esses dois últimos confrontos válidos pelo grupo 12 das Eliminatórias Africanas. Em setembro próximo, Djibuti voltará a campo para jogar contra Malawi e encerra sua participação no torneio em outubro contra o Egito.

Resta saber se os “ribeirinhos” seguirão com a sina de derrotas largas ou se conseguirão ao menos um ponto na fase de grupos das Eliminatórias, permitindo que o povo sofrido tenha maiores esperanças no futuro.

FICHA

Djibuti

Nome da federação: Fédération Djiboutienne de Football

Ano de fundação: 1979

Copas do Mundo disputadas: 0

Eliminatórias disputadas: 2 (2002 e 2010)

Resultados em eliminatórias: 1V, 1E, 5D; 5 GP, 33 GC

Melhor resultado na Copa da África: Nunca disputou

Principais clubes do país: Force Nationale de Police (Djibuti), FC Société Immobilière de Djibouti (Kartileh), AS Compagnie Djibouti-Ethiopie (Djibuti), Gendarmerie Nationale (Djibuti).

População: 795.000 (161º) – Dados de 2005

Posição no ranking da Fifa: 186º (julho/2008)

 


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo