iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

11/07 - 09:25

A dois anos da aposentadoria, Marcelinho evita pensar no futuro

Marcelinho evita falar do futuro, mas sabe que fará algo ligado ao esporte após a sua despedida

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Um dos maiores ídolos da história do Corinthians, o meia Marcelinho Carioca deixa entender que não pensa mais em defender o time onde marcou época. Questionado sobre uma eventual quarta passagem pelo Timão às vésperas de enfrentar a ex-equipe pela quarta vez na carreira, agora pelo Santo André, neste sábado, no Bruno José Daniel, o jogador de 37 anos desconversou.

“Não pensava nem em voltar a jogar, mas acabei voltando e estou feliz. Ainda não estou pensando no futuro, o meu momento é o daquela música do Zeca Pagodinho: Deixa a vida me levar”, brincou o Pé de Anjo, que já anunciou que pendurará a chuteira em dois anos, de preferência com uma partida de adeus vestindo a camisa da ex-equipe.

“Sei do meu passado no Corinthians, mas agora é outra realidade. Não sou mais menino”, admitiu. 'Já decidi que em 2010 vou encerrar a minha carreira. Tenho amigos lá, e vou falar com o Andrés Sanchez (presidente) e o Rosenberg (Luis Paulo, vice-presidente de marketing) para fazer ao menos um jogo festivo de despedida, como respeito aos torcedores e ao clube”, completou o meia.

A aposentadoria do futebol não será uma experiência nova para Marcelinho. Há dois anos, após uma curta passagem pelo Timão, ele decidiu encerrar a carreira. Neste período, estudou jornalismo e virou comentarista. Mas não ficou muito tempo no novo ofício. Em junho de 2007, decidiu voltar aos campos e meses depois acertou com o Ramalhão.

“Voltei para a estaca zero quando parei, mas aqui no Santo André eu consegui um bom ritmo e recuperei a alegria de jogar. Encontrei um projeto sério e um grupo com bastante sede e vontade de vencer”, contou o atleta, titular do Santo André ao lado de outros veteranos, como o volante Fernando, o atacante Márcio Mixirica e o zagueiro Dedimar.

“A idade não influencia muito, o que importa é que a equipe renda dentro de campo”, avisou o ídolo da Fiel, ressaltando, porém, que a aposta nos mais velhos é cada vez menos comum. “Sabemos que hoje o futebol é business, e todos os times precisam ter também os mais jovens para vender. Daqui a pouco o Santo André também lança a garotada”, comentou.

Enquanto aproveita os seus últimos momentos nos gramados, Marcelinho evita falar do futuro, mas sabe que fará algo ligado ao esporte após a sua despedida. “O futebol está dentro de mim. Não sei se vou ser técnico, dirigente, ainda não pensei. Posso ir no ouvido do Sérgio (Soares, técnico do Ramalhão) e já pedir alguma coisa”, riu o jogador, antes de concluir: “O importante neste momento está aqui, que é este projeto do Santo André”.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo