iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

10/07 - 09:52

Presidente da Fifa compara contratos de jogadores a 'escravidão'
Joseph Blatter avisou que a entidade máxima do futebol está tentando intervir em casos de compra de jogadores para repassá-lo a outros clubes

Reuters

ZURIQUE (Suiça) - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, comparou os contratos de longo prazo entre jogadores de futebol e os clubes como uma forma de 'escravidão moderna'. Falando para o canal britânico Sky Sports, Blatter disse que muitos clubes estão tentando prender os jogadores a contratos longos para evitar que eles sejam comprados por outros times.

'Acho que, no futebol, há muita escravidão moderna, com uma compra ou uma transferência de jogador aqui e ali, e colocando-os em algum lugar', disse Blatter. 'E estamos tentando intervir em casos assim'.

O regulamento da Fifa revisou suas normas quanto ao status e à transferência de jogadores. Eles podem terminar os contratos antes do tempo caso joguem em menos de 10% das partidas de uma temporada.

O regulamento tem uma medida ainda mais polêmica: os jogadores também têm a opção de abandonar os times depois de dois ou três anos, dependendo de sua idade, mediante o pagamento de uma compensação ao clube.

Perguntado sobre os esforços do Manchester United para evitar que o português Cristiano Ronaldo deixe o time para se juntar ao Real Madrid, Blatter disse que os ingleses deveriam deixá-lo ir.

'Se o jogador quer jogar em outro lugar, então a solução deve ser encontrada', disse. 'Se ele ficar em um clube no qual não se sente confortável, então isso não é bom nem para o jogador nem para o clube.'

Apesar de Ronaldo já ter passado três anos no Manchester, ele ainda pode ser suspenso se tentar encerrar seu contrato com o capeão inglês e europeu.

O regulamento das transferências estabelece que os jogadores que queiram encerrar seus contratos devem avisar o time 15 dias antes do fim da temporada, caso contrário enfrentam medidas punitivas.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo