iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

10/07 - 12:03

Herrera acompanha Marcelinho Carioca desde criança
Poucos argentinos como Herrera, no entanto, saberão como foi o reencontro entre Corinthians e Marcelinho Carioca

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - O argentino Herrera tinha dez anos quando Marcelinho Carioca se transferiu para o Corinthians, em 1993. Aos 25, agora é ele quem está no Parque São Jorge.

E, neste sábado, contra o Santo André, enfrentará justamente o único jogador que conhecia do clube brasileiro na infância.

“O Marcelinho é um dos maiores ídolos do time. Quando eu era mais novo, morando na Argentina, lia notícias sobre o Corinthians e era ele que aparecia lá. É muito querido pela torcida corintiana”, comentou Herrera.

No estádio Bruno José Daniel, como de costume, o nome do atacante será um dos mais gritados pelos corintianos antes da partida com o Santo André. A expectativa é que, na seqüência, um coro ecoe ainda mais alto das arquibancadas: “Uh, Marcelinho!”.

Na última vez que enfrentou o Corinthians, em 2 de outubro de 2005, pelo Brasiliense, Marcelinho foi ovacionado por torcedores no Pacaembu, que levaram faixas para homenagear aquele que elegeram o maior ídolo da história do clube. Os comandados do técnico Mano Menezes prevêem recepção semelhante no sábado.

“Será normal gritarem o nome do Marcelinho. Farão isso com certeza”, apostou o capitão William, que aprova o gesto. “A gente fica satisfeito ao ver esse reconhecimento. Independentemente de estar vestindo outros camisas, o torcedor lembra do que ele fez no Corinthians. Isso é importante”, acrescentou o zagueiro.

Poucos argentinos como Herrera, no entanto, saberão como foi o reencontro entre Corinthians e Marcelinho Carioca. “Já não sigo muito as noticias de lá. Mas falam mais sobre o que aconteceu com o Fluminense, perdendo a final da Libertadores, do que de outros clubes brasileiros”, afirmou o atacante.

Leia também:
Marcelinho agenda jogo de despedida no centenário do Timão (25/05/2008)


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo